Artur Dias
Do Mais Goiás

Vítima de acidente receberá R$ 30 mil de empresa de ônibus em Goiânia

Decisão anulou acordo extrajudicial que definiu o pagamento de R$ 500 e custeio de despesas médicas

Justiça condena empresa de ônibus a pagar R$ 30 mil a mulher por acidente em Goiânia
(Foto: Jucimar de Sousa/Mais Goiás)

A justiça condenou uma empresa de ônibus a pagar R$ 30 mil a uma mulher que sofreu um acidente no transporte coletivo de Goiânia. A condenação anulou um acordo extrajudicial no qual a empresa pagou R$ 500 e assistência médica à vítima.

De acordo com os autos, o acidente aconteceu em 2016. O motorista passou por um quebra-molas em alta velocidade, o que fez com os passageiros fossem lançados para o teto e depois caíssem no chão novamente.

O acidente fez com que a mulher sofresse lesões na coluna, o que a tornou parcialmente inválida. Ainda de acordo com o processo, Cootego procurou a mulher rapidamente e pagou R$ 500 reais e assistência médica e medicamentosa à vítima em um acordo extrajudicial.

Ela ressaltou que o acordo foi maliciosamente preconcebido e que a empresa se aproveitou do estado de saúde dela para propor um acordo no qual a vítima renunciou direitos. A mulher afirmou ainda que assinou sem saber das repercussões jurídicas e que assinou os papeis sob efeito de medicamentos.

De acordo com o desembargador Marcus da Costa Ferreira, a diferença entre o que foi pago no acordo extrajudicial e os patamares usualmente fixados é gritante. Ele também ressaltou que o caso era muito grave para ser resolvido em apenas com uma visita da empresa.

“[…] apesar de admirável rapidez com que a apelada dirigiu-se à casa da autora para lhe prestar assistência, causa estranheza que, diante de um caso tão grave, apenas uma visita tenha o suficiente para prestar toda a assistência necessária, levando à quitação das obrigações, quando bem mesmo a própria autora ou seus médicos tinham condições de afirmar como seria sua recuperação, já sabendo que seria longa, de no mínimo 90 dias, conforme atestado médico e licença concedida a título de auxílio-doença”.

Por meio de nota, a Rede Mob afirmou que a Cootego foi informada da decisão hoje e está analisando seu teor para se pronunciar.