De volta

Vila Nova vence o Anápolis e conquista acesso à elite do Goianão

Os gols foram de Diego Palhinha, Róbston e Patrick para o Vila, Liniker descontou para o time da casa.




Anápolis e Vila Nova protagonizaram um jogo épico no Jonas Duarte, pela Divisão de Acesso. O clima foi de muita rivalidade, com jogadores se desentendendo em campo, disputando cada centímetro do campo e lutando pelo título da competição. Ao fim do jogo, o placar de 3 a 1 manteve o Galo com vantagem para a rodada final. Os gols foram de Diego Palhinha, Róbston e Patrick para o Vila, Liniker descontou para o time da casa.

PRIMEIRO TEMPO

Como valia muito, o clima antes mesmo da partida era muito tenso. Os jogadores se encaravam, Frontini se estranhava com alguns adversários e a torcida nas arquibancadas ecoavam o coro de “cheirador” para o volante Róbston, provocando o time colorado. Prova disso é que a bola rolou e o atacante Frontini já deu uma chegada firme no adversário, recebendo o cartão amarelo.

Aos nove, saiu o primeiro gol. Frontini recebeu pela direita, entrou na área e bateu entre as pernas do goleiro. Antes da bola entrar, Diego Palhinha chegou para escorar e confirmar o Tigrão na frente: 1×0. O time manteve a pressão inicial, em busca do segundo gol, e quase conseguiu com Matheus Anderson. O jovem recebeu boa bola, mas no momento da finalização, acabou furando e perdendo boa chance.

Entrando na marca dos 20 minutos o Anápolis passou a equilibrar o jogo. O Tigrão caiu de rendimento, principalmente na parte ofensiva, e permitiu o time da casa se aproximar mais do gol de Edson. Mas o Galo da Comarca não aproveitou as chances que criou, não conseguia finalizar e pagou por isso: aos 36 minutos, Róbston acertou um belo voleio e ampliou a vantagem colorada: 2×0.

O objetivo da goleada para ter de volta a primeira colocação passou a ficar bem perto. Assim, o time colorado trabalhou para manter a vantagem na etapa inicial e voltar para o segundo tempo ainda com os 2 a 0 para buscar o gol do alívio.

SEGUNTO TEMPO

O Anápolis voltou melhor para a etapa final, consciente no jogo e pressionando o Vila Nova em seu campo defensivo. O time teve duas boas chances, a primeira com Liniker, batendo falta muito próximo ao gol de Edson e, depois, com Luciano. O meia foi derrubado na grande área por Vitor e pediu pênalti, o árbitro Bruno Rezende mandou seguir. Mas o lance foi o suficiente para acordar a torcida do time.

O jogo também voltou muito tenso e pegado, com isso, os cartões amarelos foram só subindo. No início do segundo tempo, o Galo já tinha 5 amarelados, contra quatro pendurados do Vila Nova. Passado os 15 minutos, o jogo subiu muito de produção e a emoção tomou conta do confronto. Aos 16, Liniker cobrou uma linda falta e diminuiu o placar: 2×1. Um minuto depois, Patrick anotou para o Vila Nova e manteve a partida no limite da emoção: 3×1.

Aos 28 minutos Igor foi expulso pelo Anápolis e complicou a vida do Galo. O time que ia em busca de um resultado mais confortável, precisou se recompor e passar a trabalhar basicamente no seu sistema defensivo, tendo que aguentar a pressão colorada. O jogo foi achando caminhos dramáticos para o torcedor do Galo, mas na base da superação o time segurou o resultado e vai para a rodada final precisando apenas vencer para ser campeão.

FICHA TÉCNICA
ANÁPOLIS 1 X 3 VILA NOVA

Local: Estádio Jonas Duarte, em Anápolis (GO) 
Data: 29/04/2015 
Horário: 20h30 
Árbitro: Bruno Rezende 
Auxiliares: Edson Antônio e Paulo César Almeida

Público: 6.280 pagantes
Renda: 92.385 reais

Gols: Diego Palhinha 9’ 1T (0-1); Róbston 36’ 1T (0-2); Liniker 16’ 2T (1-2); Patrick 17’ 2T (1-3)
Cartões amarelos: Igor, Fernando Gaúcho, Renato Justi, Irlan, Luciano, Wesley Brasília (Anápolis); Frontini, Vitor, Matheus Anderson, Wanderson (Vila Nova)
Cartão vermelho: Igor (Anápolis)

ANÁPOLIS: Jair; Allan, Renato Justi, Igor e Lucas; João Neto (Irlan), Ramires, Luciano e Liniker (Wesley Brasília); Gilvan e Moisés. 
Técnico: Wladimir Araújo

VILA NOVA: Edson; Wanderson (Arthur), Gustavo Bastos, Vitor (Lucas Cunha) e Patrick; Francesco, Vinícius Simon, Róbston e Diego Palhinha (Somália); Matheus Anderson e Frontini.
Técnico: Márcio Fernandes

Tópicos