Perigo

Vídeo flagra criança andando em janela do 7° andar em condomínio no Setor Goiânia 2

Menino de cerca de quatro anos de idade foi flagrado por transeuntes na Avenida Pedro Paulo de Souza. Advogado do condomínio afirmou que pais da criança serão responsabilizados


Hugo Oliveira
Do Mais Goiás | Em: 01/05/2018 às 13:04:17

Menino se equilibra em esquadria e chega a se fechar do lado de fora do prédio. Vídeo tem cerca de um minuto  (Crédito: reprodução)
Menino se equilibra em esquadria e chega a se fechar do lado de fora do prédio. Vídeo tem cerca de um minuto (Crédito: reprodução)

Na tarde de segunda-feira (30), uma criança foi vista andando por uma janela do sétimo andar de uma das torres do Condomínio Residencial Club Cheverny, no Setor Goiânia 2, Região Norte da Capital. No vídeo, captado por uma pessoa que não quis se identificar, o garoto, que parece ter cerca de quatro anos de idade, se equilibra na esquadria, passa para o lado de fora do prédio.

A gravação se encerra segundos depois do menino fechar a janela, permanecendo agarrado à mesma, do lado externo da edificação. O prédio possui 768 apartamentos, distribuídos em oito torres, com cerca de 11 andares. Caso ocorresse um acidente, o garoto poderia despencar de uma altura de aproximadamente de 30 metros.

O Mais Goiás tentou contatar os pais da criança por meio da portaria do residencial, mas foi informado de que apenas o advogado do condomínio, Gustavo Alcântara,  iria se manifestar sobre o assunto. Assista ao vídeo:

Para ele, que teve acesso ao vídeo por meio do Mais Goiás, as imagens são “chocantes e até comoventes”.  Alcântara ressalta, no entanto, que o residencial em si não tem responsabilidade sobre o que acontece na área privativa do apartamento.

A síndica Cleumilda Cana Verde de Souza, tomou conhecimento do caso após o vídeo ter sido compartilhado com funcionários do residencial. “Ela só teve acesso após funcionários da portaria a alertarem. De imediato, ela comunicou a mãe da criança, que também ficou estarrecida”, expõe.

Segundo Gustavo, o regimento do Cheverny prevê que casos de grande impacto como este gerem notificações e multas aos responsáveis, no entanto, isso ainda será avaliado pela administração. “A responsabilidade é dos pais ou do responsável legal, não do condomínio. Este é um caso grave que não pode se repetir. Inclusive, o caso pode ser apurado pelo Ministério Público”, observa.

Pela forma como a criança anda na esquadria, o advogado arrisca dizer que é possível que a janela esteja equipada com tela de segurança, embora não seja possível atestar a existência da mesma por meio do vídeo. “A janela em que a criança aparece possui furos em volta dela, diferentemente da outra, em que há um aparelho de ar condicionado. Mesmo com tela, é uma coisa muito grave”.

Caso similar

Em fevereiro deste ano, outro garoto com aproximadamente a mesma idade do menino do caso Cheverny foi visto se agarrando, pelo lado de fora, à janela de um apartamento no Setor Bueno.

À época, autora do vídeo revelou que estava no prédio de frente, quando se surpreendeu com a cena. Um colega da cinegrafista amadora chegou a avisar o porteiro do condomínio, para que este repassasse a informação para a síndica.