Vereadores formam comissão para fiscalizar obras do BRT

O presidente do grupo, Alysson Lima (PRB), afirma que o objetivo é pressionar a Prefeitura de Goiânia a concluir a obra o mais rápido possível

Foi definida em reunião na tarde desta quinta-feira (30) na Câmara Municipal de Goiânia a composição da Comissão Temporária de Fiscalização das obras do BRT. O vereador Alysson Lima (PRB), que propôs o trabalho, é o presidente.

“Saímos desta reunião com um novo encontro marcado para a próxima quinta-feira (6). Iremos visitar as obras do BRT, conversar com moradores e comerciantes da região Norte, onde as intervenções foram realizadas”, afirmou Lima. A construção já custou R$ 350 milhões aos cofres públicos e apenas 30% do projeto foi concluído em dois anos. Atualmente, a obra está completamente parada.

Os vereadores Carlin Café (PPS) e Leia Klebia (PSC) foram definidos como vice-presidente e relatora da comissão, respectivamente. Também fazem parte do grupo os vereadores Jorge Kajuru (PRP), Paulinho Graus (PDT), Anselmo Pereira (PSDB) e um vereador do PMDB, que ainda terá nome definido. O mais provável é que seja Welington Peixoto.

Após definir a composição da comissão, os vereadores concordaram em convocar o titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Seinfra), Fernando Cozzetti, e outros dois técnicos responsáveis pela obra do BRT para prestar esclarecimentos sobre a paralisação das intervenções e quais serão os próximos passos.

Relevância

Na oportunidade, o vereador Welington Peixoto expressou preocupação em relação ao real peso do trabalho realizado pela comissão. “Já vi muitas comissões de fiscalização como esta não levar a nada”, disse o peemedebista.
Para Alysson Lima, apesar da comissão não tomar decisões sobre a obra, a expectativa é pressionar a Prefeitura de Goiânia a pagar o que é necessário para retomar as obras o mais rápido possível. “O novo prazo de conclusão do BRT é 2019. O dinheiro vem dos cofres da prefeitura, do governo federal e da Caixa Econômica Federal, mas minha equipe foi informada que a obra só parou por falta de repasses do Município”, disse o vereador.

Kajuru, que propôs a Comissão Especial de Inquérito (CEI) que irá investigar as gestões de Paulo Garcia (PT) e Iris Rezende (PMDB), disse que abrirá espaço na convocação do ex-prefeito e atual prefeito para questionamos sobre o BRT. Por ser uma comissão de fiscalização, o grupo definido hoje não tem poderia convocar Paulo Garcia, que não tem mais vínculo com o Município.