RECONHECIMENTO

Vereador quer piso salarial de R$ 7.315 para enfermeiros

“A enfermagem e suas atividades auxiliares continuam absolutamente desvalorizadas por todo o Brasil”, diz Emilson Pereira


Francisco Costa
Do Mais Goiás | Em: 30/05/2020 às 11:40:33

(Foto: Pixabay)
(Foto: Pixabay)

Tramita na Câmara de Goiânia um projeto de lei que institui piso salarial de enfermeiros em R$ 7.315. Conforme exposto na matéria, a ideia é que os técnicos recebam 70% deste valor (R$ 5.120,50) e os auxiliares 50% (R$ 3.657,50). Atualmente não existe um piso, mas um média salarial de R$ 3.035, aproximadamente.

Propositor da matéria, o vereador Emilson Pereira (Patriota) defende, ainda, a fixação de carga horária de 30 horas semanais. “Não podemos deixar de reconhecer o que eles [os enfermeiros, técnicos e auxiliares] têm feito nos últimos dias, se mostrando verdadeiros heróis de jaleco”, destaca sobre a atuação dos profissionais na pandemia do novo coronavírus.

“Com muita garra, eles estão trabalhando na linha de frente desta pandemia, arriscando as próprias vidas para cuidar de todos nós”, desabafa o político. O vereador, que é técnico em enfermagem, justificou no projeto que “a enfermagem e suas atividades auxiliares (…) surpreendentemente continuam absolutamente desvalorizadas por todo o Brasil”. Para ele, o reconhecimento popular é importante, mas não corresponde a remunerações dignas.

“Ressaltamos que a atividade de enfermagem representa, hoje, mais de 50% de todos os procedimentos de saúde realizados nas instituições hospitalares e unidades básicas de saúde, segundo dados do Conselho Federal de Enfermagem (Cofem)”, reitera. Segundo ele, o projeto “é a melhor homenagem que podemos fazer a esses profissionais”.

Piso e horas

Ex-presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Único de Saúde no Estado de Goiás (Sindsaúde) e hoje Secretária Geral, Flaviana Alves afirma que esta “é demanda nossa. Um pedido do Fórum 30 Horas e do Fórum em Defesa da Enfermagem, do qual fazemos parte. O piso e as 30 horas”.

Segundo ela, a categoria irá se mobilizar e pressionar pela aprovação do projeto. “Como as sessões são virtuais, daremos um jeito de pressionar, vamos falar com os outros vereadores”, declarou. “Pediremos apoio.”