FolhaPress

Venezuela diz que irá oferecer oxigênio ao Amazonas

Demanda por oxigênio hospitalar em estabelecimentos públicos de saúde no estado está acima do disponível

Carregamento de cilindros de oxigênio chega a hospital de Manaus (Foto: Divulgação)

O governo da Venezuela informou na noite de hoje que irá disponibilizar oxigênio para atender os hospitais do estado do Amazonas, que vive uma crise sem precedentes após aumento no número de casos de covid-19.

A informação foi publicada pelo ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreaza, nas redes sociais. “Por instruções do presidente Nicolás Maduro, conversamos com o governador do estado do Amazonas, Wilson Lima, para disponibilizar imediatamente o oxigênio necessário para atender o contingente de saúde em Manaus. Solidariedade latinoamericana acima de tudo!’, escreveu Arreaza.

Em resposta a uma mensagem de agradecimento do governador Wilson Lima (PSC), Arreaza afirmou que “é sempre uma honra poder dar uma mão ao povo do Brasil, principalmente em momentos tão complexos”. “Para o Bolivariano, a solidariedade é um dever.”

Com o novo grande surto de casos de coronavírus Sars-CoV-2, a demanda por oxigênio hospitalar em estabelecimentos públicos de saúde no estado superou na terça a média diária de consumo em mais de onze vezes, agravando a situação nos hospitais –principalmente naqueles onde são atendidos pacientes com a doença.

Segundo o jornal “Folha de S.Paulo”, as empresas aumentaram a produção ao limite e buscam soluções de importação do insumo.

A White Martins, principal fornecedora de oxigênio para o governo do Amazonas, informou que atua para viabilizar a importação do produto da Venezuela para suprir a demanda. Ao lado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o ministro da Saúde, Eduardo.

Ao lado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, admitiu que Manaus vive um colapso no atendimento de saúde e disse que seis aeronaves levarão oxigênio.

“A procura por oxigênio na capital subiu seis vezes, então, já estamos aí em 75 mil metros cúbicos de demanda de ar na capital e 15 mil metros cúbicos no interior. Estamos já com a segunda aeronave entrando em circuito hoje, a C-130 Hércules, fazendo o deslocamento Guarulhos-Manaus, e a partir de amanhã entram mais duas e chegaremos a seis aeronaves, totalizando ai algo em torno de 30 mil metros cúbicos por dia, a partir de Guarulhos. Nessa ponte aérea, existem também os deslocamentos terrestres”, afirmou o ministro.

A crise também levou o secretário estadual de Saúde, Marcellus José Barroso Campêlo, a apresentar uma notificação extrajudicial na qual determina “eventual estoque ou produção de oxigênio” para pacientes internados.

A notificação foi endereçada a 11 empresas, dentre elas a Yamaha Motor e Electrolux do Brasil. O documento diz que, se houver desobediência, “fica autorizado o imediato uso de força policial, além de outras medidas coercitivas e restrições de direito juridicamente admitidas”.

Pacientes transferidos Mais cedo, o governador Wilson Lima também anunciou que Amazonas vai transferir pacientes de covid-19 para outros estados, além de decretar toque de recolher a partir das 19h até as 6h.

O objetivo conter a disseminação do coronavírus no estado. O primeiro a receber pacientes do Amazonas será Goiás, com dois hospitais: o HUGO (Hospital Estadual de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz) e o HGG (Hospital Estadual Geral de Goiânia Dr. Alberto Rassi).

Depois, será a vez de Piauí, Maranhão, Paraíba, Rio Grande do Norte e Distrito Federal. A data e a ordem dessas transferências ainda não foram divulgadas pelo governo amazonense. Pela segunda vez em oito meses, o sistema de saúde do estado do Amazonas tem sido falho, por causa da alta de casos e mortes provocados pela covid-19.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, foi até Manaus para anunciar medidas de enfrentamento ao coronavírus no Amazonas. O governador Wilson Lima pediu prioridade no envio de doses de vacina para grupos vulneráveis.

Sepultamentos batem recorde Em um mês, o número de sepultamentos em Manaus cresceu 193% em meio à explosão do número de infectados pelo coronavírus no Amazonas.

No dia 6 de dezembro, por exemplo, foram registrados 31 enterros na capital, número que subiu para 91 na última terça-feira, 5. Por causa do aumento dos casos de covid-19, o prefeito de Manaus, David Almeida, decretou estado de emergência em Manaus pelo período de 180 dias para conter o avanço da pandemia na capital amazonense.

Na quarta-feira, foram 110 mortes por covid-19 entre as causas de óbitos no total de sepultamentos nos cemitérios de Manaus, superando a marca das cem mortes por coronavírus registrada em maio de 2020.