Abuso de poder

Vendedora ambulante é agredida por segurança do Terminal Padre Pelágio em Goiânia; assista ao vídeo!

Testemunhas filmaram o instante em que um dos seguranças a segura pelo pescoço e vai empurrando a ambulante pelo terminal

Cidades

Leicilane Tomazini
Do Mais Goiás | Em: 16/01/2020 às 16:37:28

(Foto: Reprodução/Redes Sociais)
(Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Uma vendedora ambulante foi agredida por um segurança do terminal Padre Pelágio, em Goiânia, no último dia 13/1. Situação foi gravada em vídeo, obtido pelo Mais Goiás nesta quinta-feira (16). De acordo com Priscila dos Santos, de 32 anos – a vítima -, ela estava no local com uma amiga, também vendedora, quando foram abordadas por um funcionário da empresa terceirizada Proguarda Vigilância e Segurança, que faz a segurança do terminal.

“Os guardas chegaram para abordar ela e eu peguei meu celular pra filmar, porque eles foram ignorantes. Nisso, ele [segurança] já veio pedindo minhas coisas também e meu deu um tapa no peito, no que ele fez isso nós fomos pra cima, e outro veio e já me enforcou (sic)”, relatou a ambulante.

Priscila informou que trabalha com venda de acessórios para celular, mas que nem ela nem a colega estariam atuando no momento da abordagem. Testemunhas que estavam no local filmaram o instante em que um dos seguranças a segura pelo pescoço e vai empurrando a ambulante pelo terminal. Priscila conta ainda que tentou reagir e o segurança respondeu dando-lhe um golpe com o cassetete (veja abaixo).

Marca deixada por golpe de cassetete, segundo ambulante (Foto: arquivo pessoal)

“Mesmo se nos pegarem vendendo, eles não podem fazer isso [agredir]. A gente assina um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), e eu nunca assinei um. Trabalho na região da 44”, disse.

Percebendo a movimentação, a Polícia Militar que estava no terminal conteve a situação. Priscila disse que acionou outra viatura da PM pelo 190 e todos foram conduzidos à Central de Flagrantes, onde registraram um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), e realizaram o exame de corpo de delito. Depois de ouvidas, as partes foram liberadas.

Segurança e proibição de venda

Em nota, a Rede Metropolitana de Transportes Coletivos de Goiânia (Redemob Consórcio), consórcio responsável pelo transporte coletivo de Goiânia e região metropolitana, ressaltou que  a presença de vendedores ambulantes nos terminais, estações e ônibus é proibida por lei e informou que está apurando o caso:

“A presença de vendedores ambulantes nos terminais, estações e ônibus é proibida por lei. Neste sentido, as equipes de segurança trabalham para que nestes locais a manutenção da ordem, de forma a não causar transtornos aos clientes, seja respeitada.

Infelizmente, alguns ambulantes ainda insistem em ocupar esses espaços e se exaltam quando abordados pelas equipes de segurança. O RedeMob Consórcio é contra qualquer ato de violência e está apurando toda situação ocorrida ontem no Terminal Padre Pelágio”.

Apesar das tentativas de contato com a empresa de segurança, o Mais Goiás ainda não recebeu um retorno sobre a atuação dos guardas.