Festival de cinema

Veja quem são os ganhadores do FICA

A entrega da premiação aconteceu nesse domingo





//

A entrega dos troféus aos filmes premiados na 17ª edição do Festival internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, Fica 2015, ocorreu neste domingo, último dia do Festival, no Cinemão do Colégio Sant’Ana.

A Secretária de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), Raquel Teixeira, foi quem entregou o troféu ao média-metragem francês Transgenic Wars, do diretor Paul Moreira, eleito o melhor filme pelo júri da Mostra Competitiva do Fica 2015.

O filme aborda domínio da agricultura mundial pelos alimentos transgênicos. A produção foi da Dinamarca à Argentina e apontou efeitos da alimentação de animais de abate com transgênicos para trazer à tona a discussão sobre o crescimento desenfreado desta prática e suas consequências.

O documentário O Veneno está na mesa 2, de Silvio Tendler, recebeu o Troféu Carmo Bernardes, como o melhor longa da competição, pela perspicaz associação entre o meio ambiente, saúde e economia, propondo alternativas ao modelo hegemônico na agropecuária brasileira.

Já o curta-metragem Galus Galus, da diretora venezuelana Clarissa Duque, foi eleito o melhor curta da Mostra Competitiva.

Entre os goianos, Lobo Solitário, do diretor Ranulfo Borges, ganhou o troféu João Bennio (melhor filme goiano) e Maria Macaca, o documentário de Lázaro Ribeiro produzido na Cidade de Goiás, ganhou dois troféus. A produção teve bastante destaque na mostra ao retratar a vida difícil de uma carregadeira de água, que equilibra uma lata na cabeça enquanto caminha pelas ruas de pedras de Goiás.

Maria Macaca ganhou o Troféu Luiz Gonzaga Soares, eleito o melhor filme pelo Júri Popular, e o Troféu Bernardo Elis, como segundo melhor filme goiano do Festival.  “É muito gratificante poder participar deste importante encontro que é o Fica. Tudo que aprendi sobre cinema foi durante as 17 edições do festival. É fundamental que mais obras regionais possam dialogar com as produções internacionais”, comemorou Lázaro Ribeiro.

Os filmes premiados nesta edição do Festival receberam além de prêmios em dinheiro, o Troféu Fica. Concebido pela artista plástica Kátia Jacarandá, o troféu simboliza uma forma humana fundida em alumínio reciclado.

O júri da Mostra foi composto pelo cineasta e documentarista João Jardim (presidente); pelo pianista, cantor e compositor Daniel Jobim; pelo jornalista Jaime Sautchuk; pelo doutor em Ciências Biológicas José Alexandre Felizola Diniz Filho; e pelo sociólogo Nilo Sérgio Diniz.

Ao escolher os ganhadores, o júri destacou o excelente nível das obras apresentadas, parabenizou os realizadores dos 21 filmes selecionados para a Mostra Competitiva,  entre os 327 inscritos e, também, toda a equipe de organização e o Governo de Goiás pelo sucesso de mais uma edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental.

Premiados da Mostra ABD

Ficção, documentário, experimental e animação. Marcada pelas comemorações do 30º aniversário da Associação Brasileira de Documentaristas, os filmes premiados na 13ª ABD Cine Goiás também foram anunciados neste domingo, 16, no Cinemão. O curta-metragem Enquanto a Família Dorme, de Getúlio Ribeiro, levou os prêmios de Melhor Montagem e Edição, Melhor Ator e o Prêmio Fifi Cunha de Melhor Ficção.

Os prêmios Eduardo Benfica de Melhor Documentário e Prêmio Martins Muniz de Melhor Filme Experimental foram destinados às produções 1989, de Rei Souza, e Mero, de Ksnirdak. A produção Viagem na Chuva, de Wesley Rodrigues, levou o troféu Fifi Cunha de Melhor Animação. Já o cineasta Benedito Ferreira conquistou o prêmio de Melhor Direção pelo filme O Dia Secreto.

Segundo o cineasta Getúlio Ribeiro, é fundamental que existam janelas de exibição para produções feitas em Goiás. Trata-se da primeira vez que o curta Enquanto a Família Morre é exibido. “O filme brinca com o fantástico ao contar a história de um homem que começa a se envolver com sons que ele ouve durante a noite. A partir disso a produção se desdobra”, explica.

Para este ano a 13ª edição da Mostra ABD Cine Goiás bateu recordes de inscrições. De acordo com a comissão, foram inscritos 123 filmes entre os dias 12 e 26 de maio, sendo 37 obras de ficção, 34 documentários, 36 filmes experimentais e 16 animações. Desse total de inscritos, 112 filmes foram habilitados para seleção e 11 filmes foram desclassificados por não cumprirem as exigências formais do regulamento.

Encerramento com música de cinema

A Orquestra Filarmônica de Goiás foi a responsável pela apresentação de encerramento do 17º Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, Fica 2015, na Cidade de Goiás. A Filarmônica apresentou um repertório exclusivo, com sucessos que marcaram o cinema mundial.

Sob a batuta do maestro americano John Farrer, a Filarmônica apresentou o melhor da obra de John Williams, um dos maiores e mais importantes compositores da história do cinema. Foram apresentadas trilhas sonoras de produções cinematográficas que marcaram época, como Star Wars, A Lista de Schindler, Indiana Jones e Harry Potter.

Confira a lista completa dos filmes premiados:

Mostra Competitiva Fica 2015

TROFÉU CORA CORALINA (Melhor obra)
Transgenic Wars – Pela excelente investigação internacional que releva a evolução do conflito envolvendo o interesse de grandes corporações e o bem viver de todos nós.

TROFÉU CARMO BERNARDES (Melhor longa)
O Veneno está na mesa 2 – Pela perspicaz associação entre o meio ambiente, saúde e econmia, propondo alternativas ao modelo hegemônico na agropecuária brasileira.

TROFÉU JESCO VON PUTTKAMER (Melhor média)
Índio Cidadão – Pela resgate histórico, força das imagens e urgência do tema.

TROFÉU ACARY PASSOS (Melhor curta)
Galus Galus – Pela adequação do desenho, condução dramática, criatividade e música na abordagem da temática urbana.

TROFÉU JOÃO BENNIO (Melhor Filme Goiano)
Lobo Solitário – Pelo paciente e sistemático acompanhamento durante vários anos da vida de um personagem único da cidade de Goiânia, dedicado a reciclagem e ao cuidado com animais.

TROFÉU BERNARDO ELIS (Segundo Melhor Filme Goiano)
Maria Macaca – Pela eficiente relação estabelecida entre o tema da água e a história da comunidade de Goiás.

MENÇÃO HONROSA 1
My Nam is Salt – Pela excelência cinematográfica já comprovada pelos prêmios conquistados em diferentes festivais ao redor do mundo.

MENÇÃO HONROSA 2
El Rio que Nos Atraviesa – Pela força da narrativa calcada na experiência pessoal da realizadora, denunciando o avanço da indústria petrolífera na região amazônica e seu impacto nas comunidades ancestrais.

TROFÉU LUIZ GONZAGA SOARES (Júri popular)
Maria Macaca

TROFÉU IMPRENSA
Guiné, le territoire de oublie

Mostra ABD Goiás

Menção Honrosa
“Ainda Existe”, direção Pedro Diniz. Pela acurada pesquisa de personagens, locações e pelo olhar comprometido com os fazeres tradicionais.

Melhor ator
Rodrigo Cruz – “Enquanto a Família Dorme”

Melhor Atriz
Maria Beatriz e Paula Lopes – “O Preço da Passagem”.

Melhor trilha sonora original
Dênio de Paula – “Viagem na Chuva”.

Melhor Som
Marcio Jr. e Marcia Deretti – “Rascunho da Bíblia”

Melhor montagem/edição
Getulio Ribeiro – “Enquanto a Familia Dorme”

Melhor direção de fotografia
Matheus Leandro – “Em terras estrangeiras”

Melhor direção de arte
Wesley Rodrigues – “Viagem na Chuva”

Melhor roteiro
Participantes da Oficina Terra – A Luta e a Lida do Projeto Cinema Olhares e Formação. Coordenação de Marcela Borela, Vinicius Berger e Henrique Borela – “Sob Nossos Pés”

Melhor direção
Benedito Ferreira – (O Dia Secreto)

Prêmio Martins Muniz de melhor filme experimental
“Mero” – direção Knirbaks

Prêmio Eduardo Benfica para o melhor filme documentário
“1989” – direção Rei Souza.

Prêmio Fifi Cunha de melhor filme de animação
“Viagem na Chuva” – direção Wesley Rodrigues.

Prêmio Beto Leão para o melhor filme de ficção
“Enquanto a Família Dorme” – direção Getulio Ribeiro.

Tópicos