Do Mais Goiás

Vanderlan diz que vai garantir espaço para todos os feirantes da Feira Hippie

"O centro da cidade está abandonado e precisa voltar a ser um espaço de convivência dos goianienses"

Vanderlan diz que vai garantir espaço para todos os feirantes da Feira Hippie
Vanderlan diz que vai garantir espaço para todos os feirantes da Feira Hippie

Vanderlan Cardoso esteve na Feira Hippie, na manhã deste sábado (10), e prometeu espaço suficiente para todos os feirantes ao final das obras da Praça do Trabalhador, mesmo que para isso busque alternativas. “Se o espaço não for suficiente para todos, ao final das obras da Praça do Trabalhador, nós vamos procurar alternativas. O centro da cidade está abandonado e precisa voltar a ser um espaço de convivência dos goianienses.”

Para o candidato à prefeitura de Goiânia, a feira tem grande vocação no segmento da moda, que é um dos principais de Goiânia. Assim, ele afirma que os mais de cinco mil profissionais que lá atuam precisam da assistência do poder público.

Entre as demandas apresentadas pelos feirantes durante a passagem de Vanderlan, eles solicitaram o desenvolvimento de um espaço cultural com artistas para os visitantes, a oficialização do funcionamento da feira às sextas-feiras em caráter definitivo, a implantação de uma rede de internet de qualidade e maior fiscalização do poder público no local. O pessedista se comprometeu a viabilizar todas. Além disso, afirmou que pretende dar agilidade às obras, licenças e atendimentos que forem necessários para auxiliar os trabalhadores.

Três dias de Feira Hippie

É antiga a demanda dos trabalhadores para que a Feira Hippie funcione de sexta-feira a domingo. Contudo, segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico e Tecnologia (Sedetec), Walison Moreira, disse no passado, que o funcionamento na sexta-feira estava fora do cronograma original da feira. O dia foi incluído provisoriamente pelo prefeito Iris Rezende (MDB), há cerca de três anos, somente até o começo das obras da Praça do Trabalhador, mas não era uma compensação – pois não houve interrupção dos trabalhos.

“O ideal é que, quando a Praça do Trabalhador estiver perto do retorno, ocorram debates com a sociedade e vereadores para discutir essa volta ao local e os dias. É necessário uma lei, inclusive. Também é preciso repensar a Feira Hippie, já que o número de feirantes aumentou com o início das obras e a mudança para as adjacências da 44 – ou seja, é possível que alguns estejam de forma irregular. Além disso, a própria feira mudou seu estilo, se tornando mais atacado”, disse à época.