Do Mais Goiás

“Vacinar e medidas de controle”, recomenda Flúvia Amorim contra Covid

"Para voltar a normalidade, importante é vacinar o maior número de pessoas no maior tempo possível"

Goiânia recebe novas doses e amplia vacinação geral contra Covid-19 para 49 anos
(Foto: Jucimar de Sousa/Mais Goiás)

“Para conseguirmos voltar a nossa normalidade, ou o mais próximo disso, o importante é vacinar o maior número de pessoas no menor tempo possível”, diz Flúvia Amorim, superintendente de Vigilância em Saúde, ao Podcast Poder em Jogo do Mais Goiás, desta sexta (18). “Vacinar e medidas de controle”, recomenda para combater a Covid-19.

Durante a entrevista Flúvia também reforçou que a melhor vacina é “a no braço”. A fala foi uma crítica as pessoas que tentam escolher determinado imunizante.

“Se a pessoa que já pode receber dose, fica sem por esperar determinada vacina, primeiro, ela está se colocando em risco; e segundo, está atrapalhando a imunidade coletiva”, complementou. De acordo com ela, todas as vacinas utilizadas no País têm comprovação de eficácia e segurança.

Terceira onda

Flúvia lembrou que, para alguns, já estamos na terceira onda, apesar do aumento de casos ser menor que o da segunda. “Ainda estamos com regiões com aumento de casos.”

Desta forma, ela reforça que é preciso vacinar o mais rápido possível para evitar, quartas, quintas, sextas ondas. “Precisamos vacinar o mais rápido possível e manter as medidas de controle para que os casos caiam a níveis tão baixos que possamos, por exemplo, deixar de usar máscara em local aberto, reunir com mais pessoas, como alguns países já tem feito. A solução é fazer o dever de casa. Vacinar e medidas de controle.”

Medidas de controle, destaca-se, são os protocolos já previstos pela Secretaria de Saúde (SES-GO), como uso de máscara e álcool em gel, distanciamento e isolamento. Remédios sem eficácia comprovada não estão inclusos.

UTIs

Segundo o painel da Covid do Estado, por volta das 15h55 desta sexta, Goiás está com 84,78% dos leitos de UTI destinados a Covid-19 ocupados. Em números, de 598 vagas, 91 estão disponíveis, 12 bloqueadas e 495 ocupadas.

Em relação a enfermaria, o número é de 62,8%. São 276 disponíveis, 84 bloqueadas e 382 ocupadas. O montante é de 742.

Confira o Podcast com Flúvia Amorim: