Do Mais Goiás

Universidade Federal Fluminense cria o Museu de Memes

Ideia é catalogar e facilitar o encontro dos memes por parte de pesquisadores de redes sociais e internet

Os memes agora são patrimônio científico. Bom, pelo menos em parte. A Universidade Federal Fluminense criou o Museu de Memes. Se trata de um acervo online que quer acumular e catalogar todos os memes criados. O motivo por trás da iniciativa é: “um site que reúne todos os memes para facilitar a busca acadêmica destas peças”.

Chamado oficialmente de #MuseudeMemes, o site já está no ar pelo endereço museudememes.com.br com os objetivos de: “a constituição de um acervo de referência para pesquisadores interessados na investigação sobre o universo dos memes, do humor e das práticas de construção de identidades e representações em comunidades virtuais”.

E este é só um dos seis objetivos principais que envolvem: “debate sobre temas relacionados aos memes de internet”, “experimentação em linguagem midiática voltado para a exploração de temas através de recursos lúdico-interativos”, “a orientação em projetos de pesquisa, iniciação científica, extensão e inovação tecnológica”, “o compartilhamento de reflexões e dados” e “o reconhecimento e testagem de aplicações voltadas à gestão de acervos e coleções em ambiente online”.

Ou seja, se você achava que memes e redes sociais não eram coisa séria, pense de novo: eles acabam de virar um campo fértil para pesquisa, ensino e extensão. E o acervo é responsa: clássicos da época do Orkut estão presentes, como Lindomar, o Sub-Zero Brasileiro, Dimitri Descobre que é Sexta-Feira e Tá Pensando que Travesti é Bagunça.

Até os mais recentes entraram no acervo, como a Guerra Memeal, Beyoncé Grávida, Nazaré Confusa e Esmagares Minha Rata. Embora a proposta seja séria, dá pra se divertir bastante. Usem com moderação.