Trio de garotos do Palmeiras celebra parceria e chances no profissional

No primeiro ano como profissionais, eles são os jogadores vindos da base com mais espaço no Palmeiras sob o comando de Vanderlei Luxemburgo


FolhaPress
FolhaPress
Do FolhaPress | Em: 12/03/2020 às 15:29:14

Gabriel Veron, Gabriel Menino e Patrick de Paula (da esquerda para a direita) falaram com a imprensa após o treino da manhã desta quinta-feira (12). (Foto: Assessoria do Palmeiras)
Gabriel Veron, Gabriel Menino e Patrick de Paula (da esquerda para a direita) falaram com a imprensa após o treino da manhã desta quinta-feira (12). (Foto: Assessoria do Palmeiras)

A sala de imprensa da Academia de Futebol do Palmeiras recebeu Gabriel Menino, Gabriel Verón e Patrick de Paula, trio de garotos do clube, para uma entrevista diferente nesta quinta-feira (12).

Os três falaram lado a lado com a imprensa e se divertiram em uma autêntica “resenha”, termo adotado pelos boleiros para retratar as conversas rotineiras em um clube de futebol. Teve revelação sobre o trote e a relação com o restante do elenco.

No primeiro ano como profissionais, eles são os jogadores vindos da base com mais espaço no Palmeiras sob o comando de Vanderlei Luxemburgo. A empolgação se ratifica na fala de Patrick de Paula, 20, tão solto na entrevista quanto no meio-campo do Palmeiras -foi destaque na vitória por 3 a 1 sobre Guaraní-PAR na última terça (10).

“Há três anos, eu jogava na várzea e hoje jogo a Libertadores, isso é muita felicidade para mim e para a minha família. Minha mãe, Dona Nilzimar, ficou muito alegre e chorou muito quando entrei no jogo. Passou muita coisa na cabeça, como jogar ao lado de Felipe Melo e Dudu, caras que via pela televisão. Foi um sonho”, destacou Patrick de Paula.

O meio-campista, que começou o ano como titular, destacou como o trio e as revelações palmeirenses se encontram à vontade dentro do elenco. A partir de uma citação de Patrick de Paula, a “resenha” começou e as brincadeiras vieram à tona.

“O Jailson brinca bastante na resenha, todos brincam, dão moral e conversam bastante, mas tudo com respeito”, disse Patrick, que engatilhou o nome do responsável por causar o trote dos jovens no início da temporada.

“Treinamos a primeira semana na Flórida [nos EUA], e não aconteceu nada. Pensamos: ‘ufa!’. Passaram-se duas semanas e veio o Jailson com a maquininha [de cortar cabelo], aí nem tem como fazer nada. O Jailson é um armário, ficamos quietos e deixamos; raspamos a cabeça dele também, mas não mudou muito”, recordou-se Gabriel Menino, 19, sobre o episódio com o goleiro, que já é careca.

Pela questão de geração, Verón, Menino e Patrick se aproximaram muito nestes primeiros meses de temporada, ao ponto de se sentirem à vontade para exporem os vícios um do outro.

Menino, por exemplo, reclamou que Patrick de Paula “não sai do celular” durante a concentração. A resposta veio de maneira contundente e justificada: “Free Fire, mano”. Trata-se de um jogo de ação para o celular que é febre no mundo todo. O atrativo deixa Patrick concentrado, mas não impede elogios dos companheiros na questão da “resenha”.

“Temos uma intimidade boa. Brincamos bastante, damos liberdade, mas não ficamos bravos. Patrick é muito gente boa”, comentou Verón, 17, o mais jovem e tímido do trio.

Eles podem aparecer entre os titulares do Palmeiras no sábado (14), quando a equipe visitará a Inter de Limeira em jogo válido pelo Campeonato Paulista. Isso porque Luxemburgo levou apenas reservas a campo no treinamento a dois dias do confronto -na quarta (11), fez o mesmo.

Quem foi titular contra o Guaraní-PAR realizou apenas trabalhos regenerativos e fez uma leve corrida no gramado nesta quinta. Sem indicar escalação provável, o treinador poderá utilizar uma equipe mista.

Tópicos