Caso Suzy

Técnico em enfermagem acusado de estuprar estudante em UTI deve ser ouvido na quinta (27)

Ele irá prestar depoimento no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, onde está preso desde maio. Outras oito pessoas devem ser ouvidas até a próxima semana


Jessica Santos
Do Mais Goiás | Em: 25/06/2019 às 13:25:42

(Foto: Divulgação/Polícia Civil)
(Foto: Divulgação/Polícia Civil)

O técnico em enfermagem Ildson Custódio Bastos, acusado de estuprar a estudante Susy Nogueira, de 21 anos, na UTI do Hospital Goiânia Leste, deve ser ouvido pela Polícia Civil (PC), na próxima quinta-feira (27). Depoimento dele será realizado no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, região Metropolitana da capital, onde está preso desde maio. Corporação trabalha no inquérito que apura a causa da morte da paciente.

Conforme expõe Washington da Conceição, delegado que integra a força-tarefa responsável por investigar o caso com os delegados André Botesini e Emilia Podestá, ainda não foi estipulado um horário para ouvir Ildson. Segundo ele, cerca de oito pessoas devem ser ouvidas até a próxima semana. Ao todo, mais de 50 pessoas que trabalham no hospital e estiveram nos plantões durante o período em que a estudante ficou na UTI já prestaram depoimentos.

De acordo com o delegado, ainda não há previsão para que o inquérito seja concluído. “Estamos na fase final das oitivas. Até semana que vem devemos encerrar os depoimentos, mas tem muita coisa a ser feita ainda. Precisamos analisar o laudo da perícia, do IML, das imagens, depois tem o parecer da junta médica. Apesar de não termos nenhuma novidade no momento, a investigação continua”, afirmou.

Por meio de nota, a Supreme Care/OGTI, empresa responsável por administrar a UTI do hospital, disse que “a empresa e seus colaboradores continuam atendendo prontamente às solicitações das autoridades para que todos os esclarecimentos necessários sejam feitos, e aguarda os desdobramentos relacionados à investigação”.

Na última semana, os familiares da estudante Suzy Nogueira contrataram um legista particular para analisar imagens das câmeras de segurança que registraram os 10 dias de internação da jovem na unidade. Segundo o advogado da família da vítima, Darlan Alves Ferreira, além da apuração da força-tarefa, os pais da jovem contrataram um médico legista particular para analisar os vídeos feitos na UTI durante os dias de internação dela.

A estudante deu entrada na unidade no último 16 de maio após apresentar uma crise convulsiva. A jovem, então, teve que ficar internada e, segundo a titular da Delegacia Estadual de Proteção à Mulher (Deam), Paula Meotti, foi estuprada naquele mesmo dia. O suspeito do crime, o técnico de enfermagem Ildson Custódio Bastos, de 41 anos, está preso preventivamente desde que se apresentou de forma espontânea à delegacia. Ele nega o crime.