Inflação

Tarifa de ônibus e combustíveis impactam inflação de fevereiro em Goiânia

Os últimos 13 dias de fevereiro registraram aumento de 8,21% na passagem do transporte coletivo na capital





//

Os reajustes na passagem de ônibus urbano contribuíram para a elevação do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de fevereiro em Goiânia, fechando o mês anterior com um índice de 1,55%. Em janeiro último, esse índice foi de 1,78%. E em fevereiro do ano passado foi de 0,39%. O acumulado para os dois primeiros meses do ano ficou em 3,36%. Nos últimos 12 meses, o índice foi de 10,38%.

O levantamento foi realizado pelo Instituto Mauro Borges (IMB) de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan).Esse índice de 1,55%, de acordo com o gerente de Pesquisas Sistemáticas e Especiais do IMB/Segplan, Marcelo Eurico de Sousa,  é o maior para um mês de fevereiro, desde 1994 até hoje.

O grupo de despesas Transportes apontou alta de 6,57%, impulsionado pela elevação da tarifa do ônibus urbano com aumento de 8,21%, nos últimos 13 dias de fevereiro. Ainda nesse grupo, a elevação da gasolina em 6,15% também impactou o IPC, ao lado da elevação do óleo diesel com aumento de 7,30% e do etanol com aumento verificado de 5,86%.

Também contribuiram com a composição desse índice mensal de 1,55%, itens do grupo Alimentação, estes com elevação de 1,49%. Dentro desse grupo os maiores impactos foram ocasionados por aumentos registrados nos preços do feijão carioca, com aumento de 6,50%; e da carne bovina, com elevação de 2,72%. Especificamente no caso da carne bovina, a elevação no preço do corte ocorreu em decorrência da menor oferta de gado pronto para abate, conforme explica o gerente de Pesquisas, Marcelo Eurico.

Elevações acentuadas e sazonais
Ainda no grupo Alimentação, os ovos apresentaram elevação acentuada de 18,70%, devido ao aumento de demanda, muito comum em períodos de Quaresma. A cerveja apresentou aumento de 3,58% também ocasionado por aumento de demanda ocasionado pelo período de Carnaval. No grupo Alimentos apenas dois itens apresentaram recuo: o açúcar com índice de -2,70% e o leite, com variação negativa de -0,82%.

Estabilização em patamar elevado
Juntos, os itens de Transportes e Alimentação foram responsáveis por 86% do valor do total do índice de fevereiro (de 1,55%). Para os próximos meses, de acordo com Marcelo Eurico, a expectativa para o grupo Alimentos é de que este mantenha preços em patamares elevados, porém estáveis para os próximos meses.

Cesta Básica
Com a alta observada nos alimentos, o custo da cesta básica em Goiânia também aumentou em 2,98% em fevereiro em relação ao mês anterior, fechando em R$ 283,03 ante R$ 274,84 em janeiro. No acumulado do ano, o valor da cesta já atinge alta de 5,55% e chega a 14,09% no acumulado dos últimos 12 meses.

Dos 12 itens que compõem a cesta básica, cinco apresentaram elevação de preço e seis apresentaram redução. Os produtos que mais registraram alta em fevereiro último foram os legumes/tubérculos com 8,30% de aumento; o feijão com 5,13% e a carne com 3,05%, todos com variações positivas. As principais quedas nos preços puderam ser verificadas no preço do açúcar, com -2,70%, frutas com -1,17% (queda impulsionada sobretudo pela maçã) e o café com índice negativo de -0,90%.

Tópicos