Aulus Rincon
Do Mais Goiás

Suspeitos de sonegar R$ 100 mi em impostos tinham vida luxuosa em Goiânia

Três dos investigados moravam em mansões situadas em condomínios fechados e andavam em carros que custam mais de R$ 200 mil cada

Dinheiro em espécie apreendido na operação contra sonegação fiscal (Foto: divulgação/PC)
Dinheiro em espécie apreendido na operação contra sonegação fiscal (Foto: divulgação/PC)

Agentes da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Ordem Tributária (DOT) prenderam nesta terça-feira (23) em Goiânia 12 suspeitos de participar de um esquema de sonegação fiscal que teria provocado, em pouco mais de um ano, um rombo superior a R$ 100 milhões aos cofres do estado. Os líderes da suposta organização criminosa, segundo as investigações, mantinham uma vida de luxo, moravam em condomínios fechados e tinham carros que custam, cada um, mais de R$ 200 mil.

A Polícia Civil chegou até os suspeitos após troca de informações com equipes da Secretaria de Economia, que receberam uma denúncia anônima ainda no ano passado. Pelo que ficou apurado, uma família de pequenos empresários do ramo de bebidas alcoólicas passou falsificar notas para poder comercializar carregamentos sem origem comprovada, alguns roubados.

Em pouco mais de um ano, o grupo familiar, composto por dois irmãos e o filho de um deles, com apoio de “laranjas”, abriu nove empresas que, além de comercializarem bebidas de forma ilegal, passaram também a vender notas falsas para comerciantes de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná.

Veículos de luxo apreendidos. Todos têm valor superior a R$ 200 mil (Foto: Áulus Rincon/Mais Goiás)

Veículos de luxo apreendidos. Todos têm valor superior a R$ 200 mil (Foto: Áulus Rincon/Mais Goiás)

“Nós chegamos ao grupo depois de verificarmos que pessoas que até 2019 trabalhavam como motoristas, operadores de empilhadeiras e faxineiros, de repente viraram donos de empresas que supostamente estariam movimentando algo em torno de R$ 100 milhões em bebidas alcoólicas”, relatou o delegado Rodrigo Mendes de Araújo, adjunto da DOT.

Durante o cumprimento dos 20 mandados de busca e apreensão, e dos 12 de prisão, os agentes apreenderam quatro armas de fogo e munição. Veículos de luxo, entre eles uma BMW, uma SW4, e camionete Dodge Ram, avaliada em mais de R$ 400 mil também foram confiscados. Bens dos envolvidos foram penhorados pela Justiça.

Entre os presos, que não tiveram os nomes, nem as idades divulgados, três são de uma mesma família, e alguns são contadores que estariam ajudando o grupo a falsificar as notas fiscais. Levantamento feito até agora pela Secretaria de Economia já confirmou que o grupo sonegou R$ 63 milhões, valor que, com juros e multa, segundo o delegado fiscal Gerson Segundo, ultrapassa os R$ 100 milhões.

Os 12 presos responderão por associação criminosa, crimes contra a ordem tributária e falsificações diversas, delitos que, somados, tem pena superior a 16 anos de reclusão. De acordo com a Polícia Civil, esta foi a maior ação contra a sonegação fiscal em Goiás já realizada pela DOT.

Empresários e contadores são alvos de 20 mandados de busca e apreensão e outros 12 de prisão (Foto: divulgação/PC)

Empresários e contadores são alvos de 20 mandados de busca e apreensão e outros 12 de prisão (Foto: divulgação/PC)