POR CIÚMES

Suspeito de matar ex-namorado de sua atual mulher no Pará é preso em Goiás

Investigações apontam que após o crime, praticado em abril do ano passado, Dedivan Castro Souza passou por vários estados, e atualmente morava em Anápolis


Aulus Rincon
Do Mais Goiás | Em: 14/09/2020 às 13:53:05

Erivelton Araújo, de 30 anos, o “Bebel”, foi executado com cinco tiros no dia 17 de abril do ano passado.
Erivelton Araújo, de 30 anos, o “Bebel”, foi executado com cinco tiros no dia 17 de abril do ano passado.

Apontado como autor de um crime que chocou os moradores de Tailândia, no Pará, Dedivan Castro Souza, de 24 anos, foi preso no final de semana em Anápolis. Ele é suspeito de matar a tiros o ex-namorado da mulher com quem estava se relacionando.

Erivelton Araújo, de 30 anos, o “Bebel”, foi executado com cinco tiros no dia 17 de abril do ano passado perto do cemitério de Tailândia pouco tempo após ter sido contratado, por um desconhecido, pelo telefone, para fazer um serviço de frete. Ao investigar o caso, a Polícia Civil do Pará descobriu que o suposto frete foi contratado por Dedivan Castro, que comprou um chip de celular apenas para fazer a ligação que atraiu a vítima para uma emboscada.

Dedivan Castro Souza, de 24 anos, preso no final de semana em Anápolis (Foto: Polícia Civil).

Dedivan Castro Souza, de 24 anos, preso no final de semana em Anápolis (Foto: Polícia Civil).

O crime, ainda de acordo com as investigações conduzidas por policiais de Tailândia, teria sido cometido porque Dedivan, que naquela época estava se relacionando a ex-mulher de Erivelton, não aceitava a proximidade que a vítima tinha com os familiares de sua namorada, e imaginava que ele estava tentando se reaproximar dela. Quando desconfiou que teria sido descoberto, o autor dos disparos, ainda de acordo com a investigação, fugiu do Pará, passou por outros três estados, e atualmente vinha morando em Anápolis, onde acabou localizado e preso na última sexta-feira (11).

O titular da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios, delegado Rilmo Braga, que foi quem prestou apoio aos colegas do Pará para a prisão do foragido, explicou que decidiu divulgar a imagem, nome e idade porque suspeita que Dedivan Castro tenha cometido outros crimes enquanto esteve em Goiás. A divulgação da imagem e identificação do foragido foi precedida nos termos da Lei n.º 13.869, Portaria n.º 02/2020 – PC, despacho do Delegado Titular da DIH, nº 000010828006. A reportagem do Mais Goiás não conseguiu contato com a defesa do suspeito, mas o espaço está aberto caso queira se manifestar.