Anápolis

Suspeito de matar enfermeiro é assassinado em presídio de Anápolis

Homem de 43 anos estava preso há dois dias; companheiros de cela são suspeitos do crime


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 18/08/2019 às 09:55:54

Homem suspeito de assassinato em 2017 foi morto dois dias após prisão, em Anápolis (Foto: PC)
Homem suspeito de assassinato em 2017 foi morto dois dias após prisão, em Anápolis (Foto: PC)

Preso no dia 15 de agosto por suspeita de matar um enfermeiro em 2017, Sadir Lima do Nascimento foi assassinado no presídio de Anápolis, a 55 quilômetros de Goiânia, no sábado (17). Informações preliminares repassadas à imprensa são de que o homem de 43 anos teria sido morto pelos próprios companheiros de cela.

Sadir Lima foi preso no último dia 15, em Pirenópolis. Segundo relato de familiares, ele era dependente de álcool e drogas desde a adolescência e havia sido internado de forma compulsória no início de 2017, em uma clínica particular em Anápolis.

No dia 11 de maio daquele ano, ele fugiu da unidade de saúde e foi para a casa de familiares, no Residencial Copacabana, em Anápolis. Seus familiares, de acordo com informações da Polícia Civil, ligaram para a clínica e pediram que ele fosse levado de volta para continuar com o tratamento.

O Grupo de Investigações de Homicídios (GIH) de Anápolis apurou que, ao perceber a entrada dos três funcionários da clínica na casa, Sadir pegou uma faca de cozinha e esfaqueou três pessoas que foram à casa para leva-lo de volta à clínica: Wellington Adriano Ribeiro, Kaio Catulio Ferreira e Eduardo Alves de Souza.

O enfermeiro Wellington Adriano morreu no local. Kaio Catulio e Eduardo Alves foram socorridos e permaneceram internados por mais de 30 dias, mas sobreviveram ao ataque. Sadir foi localizado em Pirenópolis há três dias.

Segundo a Polícia Civil, Sadir Lima confessou o crime. Ele foi transferido para o Centro de Inserção Social Monsenhor Luiz Ilc, em Anápolis, e foi assassinado no sábado (17). O Grupo de investigação de Homicídios (GIH) de Anápolis investigará o crime.