Feminicídio

Suspeito de feminicídio trocou carícias com a vítima antes de matá-la, diz delegado

Segundo o delegado responsável pelo caso, Gustavo Ferreira, o casal vivia bem e não houve motivo aparente para o crime


Jessica Santos
Do Mais Goiás | Em: 26/11/2019 às 10:37:56

Justiça mantém homem acusado que matou ex-namorada em Caldas Novas (Foto: Reprodução / Facebook)
Justiça mantém homem acusado que matou ex-namorada em Caldas Novas (Foto: Reprodução / Facebook)

O suspeito de assassinar, a tiros, a empregada doméstica Winaria Oliveira Lima, de 29 anos, trocou carícias com a vítima e a presenteou com flores antes de matá-la. É o que relatam duas testemunhas que afirmam ter presenciado momento romântico antes do crime e o instante em que Langston Kessler De Oliveira, 34, disparou quatro vezes contra a então companheira. O caso ocorreu na noite da última sexta-feira (22), em Caldas Novas.

Segundo expõe o delegado Gustavo Ferreira, apesar de o suspeito permanecer calado durante interrogatório, duas testemunhas que estavam em pontos diferentes das imediações deram versões que confirmam o homem como autor do feminicídio. Uma das testemunhas estava no mesmo ônibus em que a vítima viajava de Goiânia para Caldas Novas. A outra jantava em um estabelecimento próximo de onde o crime ocorreu. De ângulos distintos, ambas viram as carícias e os disparos.

“Apesar de estarem em lugares diferentes, as mulheres narraram como o suspeito agiu. Elas contaram que o homem pegou a mulher no ponto de ônibus e que os dois trocaram beijos e abraços em frente a um local que vende espetinho”, afirma.

Conforme relata o investigador, depois de trocar carícias, o casal caminhou por alguns metros, até que Langston sacou a arma e efetuou o primeiro disparo. Com a vítima caída no chão, o suspeito, segundo o inquérito, disparou outras três vezes. “No caminho para a casa, de uma hora para outra, ele matou a companheira. Não houve motivo aparente”.

Casal vivia bem

Gustavo Ferreira sublinha ainda que há indícios de que o casal vivia bem. “Há relatos de que o suspeito era possessivo e ciumento, mas, apesar disso, eles vivam bem e estavam juntos. Não houve um estopim e motivação aparente para o crime. Tudo indica que tenha sido em razão de ciúme”, afirmou.

O delegado deve ouvir familiares de Winaria nesta terça-feira (26) e quarta-feira (27) para apurar mais detalhes acerca do relacionamento do casal. O investigador também aguarda laudos periciais para concluir o inquérito e remetê-lo ao Judiciário. O suspeito deve responder por feminicídio com agravante de impossibilitar a defesa da vítima.