Caso João de Deus

STJ nega habeas corpus a João de Deus

Pedido de liberdade foi impetrado nesta quarta-feira (19), pela defesa do médium acusado de estupros em Abadiânia


Jairo Menezes
Do Mais Goiás | Em: 19/12/2018 às 18:04:21

João de Deus tem novo habeas corpus negado pela Justiça goiana (Foto: SSP-GO)
João de Deus tem novo habeas corpus negado pela Justiça goiana (Foto: SSP-GO)

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou, na tarde desta quarta-feira (19), o pedido de habeas corpus, impetrado pela defesa do médium João Teixeira, conhecido como João de Deus. A decisão é do ministro Nefi Cordeiro, da sexta turma do STJ. João de Deus está preso preventivamente, por suspeita de abusos sexuais e estupros que aconteciam nas dependências da casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, onde o religioso fazia os atendimentos.

A Embaixada dos Estados Unidos em Brasília e o FBI, a polícia federal americana, buscaram a Polícia Civil de Goiás para fazer o intercâmbio de informações relacionadas às vítimas do médium.

Segundo os investigadores brasileiros, os órgãos norte-americanos também teriam recebido denúncias de mulheres que foram abusados pelo líder religioso. Isso porque há um grande fluxo de estrangeiros na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO), onde o médium realiza os atendimentos espirituais.

Além disso, os Estados Unidos estariam interessados em receber detalhes dos supostos casos que envolvem norte-americanas no Brasil.

“Semana passada a embaixada dos Estados Unidos fez contato com a Polícia Civil. Eles manifestaram interesse em uma reunião em Brasília por causa de algumas manifestações que eles receberam lá e também para denotar se há cidadã americana como vítima”, afirmou o delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, André Fernandes.

Até agora, o Ministério Público recebeu mais de 500 relatos de abuso sexual que teriam sido cometidos por João de Deus. Outros 30 casos já foram formalizados por meio de depoimentos colhidos presencialmente nos Estados.

A expectativa é que essas informações sejam compartilhadas numa reunião entre os órgãos brasileiros e norte-americanos na semana que vem, em Brasília.

CASO

O caso de João de Deus ganhou repercussão nacional depois que ao menos 13 mulheres acusaram o médium de tê-las abusado sexualmente durante tratamento espiritual.

As denúncias foram feitas no sábado (08), no programa Conversa com Bial e no jornal O Globo. No domingo (09), O MP-GO informou que já havia investigações abertas ao menos desde junho deste ano para apurar as suspeitas.

O médium se entregou à polícia no último domingo (16). Ele prestou um depoimento de três horas na Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), em Goiânia, negando ter cometido abusos contra fiéis.