Joao Paulo Alexandre
Do Mais Goiás

Sobe para três o número de mortos em incêndio de empresa de reciclagem, em Aparecida

Luis Jerferson Almeida Rosa ficou oito dias internado no Hugol. Outros dois trabalhadores seguem internados em estado grave na unidade

Subiu para três o número de mortos no incêndio no depósito de reciclagem da empresa Eco-VR, localizado no Setor Santa Luzia, em Aparecida de Goiânia. A informação foi confirmada, em nota, pela própria empresa, nesta sexta-feira (7), e destaca que Luis Jerferson Almeida Rosa não resistiu após ficar oito dias internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Urgências Governador Otávio Lage (Hugol).

De acordo com o texto, a empresa destaca que “foi com profundo pesar e consternação que a EcoVR recebeu, na tarde desta sexta-feira (07/06), a notícia da morte do colaborador Luis Jerferson Almeida Rosa. A prioridade da empresa, neste momento, é prestar todo o suporte médico, psicológico e material às vítimas e seus familiares.” Leia a nota completa no final da matéria.

Além de Luis Jerferson, também morreram Jeferson Andrade Silva, que estava internado no Hugol, e Antônio Filho dos Santos Araújo, que foi encontrado carbonizado ainda no local do incêndio. Outros dois trabalhadores ainda continuam internados, sendo eles Adriano Silva Castro e Lucas Paca da Silva. Cezar Ribeiro de Souza teve alta na última quarta-feira (5).

O Mais Goiás entrou em contato com o Hugol que informou que Adriano encontra-se internado a UTI em estado grave, sedado e respira com ajuda de aparelhos. Lucas também está internado na UTI e em estado grave, mas encontra-se consciente e respira espontaneamente.

Relembre o caso

O incêndio começou por volta das 19 horas da noite do último dia 30 de maio. De acordo com as testemunhas, a explosão foi ouvida por mais de cinco quilômetros do depósito. Segundo o corpo de Bombeiros, 49 militares da corporação e 19 viaturas foram deslocados para combater as chamas. Cerca de 30 minutos depois, o fogo foi confinado, ou seja, não poderia mais se espalhar.

Na última quarta-feira (5), a Polícia Civil (PC) apresentou laudos nos quais mostraram que a causa da explosão e incêndio foi a grande quantidade de gás butano presente no local.  Isso ocorreu após os trabalhadores abrirem cilindros de desodorantes para ter início ao processo de reciclagem. “Trata-se de um gás mais denso que o ar e altamente inflamável. Ele formou uma espécie de ‘cobertor’ sobre ao solo. A primeira explosão teve início após essa espécie de cobertura ter entrado em contato com algum ignitor”, afirmou o perito Celso Faria de Souza.

À frente das investigações, o delegado Diogo Barreira, da 7ª Delegacia de Polícia, disse na ocasião que os laudos serão anexados ao inquérito e que os sobreviventes e responsáveis pela empresa foram ouvidos. “São informações fundamentais para o nosso trabalho. Hoje ouvimos o dono da empresa e o gerente da unidade. A tragédia resultou em mortes e, por isso, os responsáveis podem responder por homicídio culposo”, ressaltou.

Leia a nota completa da empresa EcoVR

Nota de pesar

Foi com profundo pesar e consternação que a EcoVR recebeu, na tarde desta sexta-feira (07/06), a notícia da morte do colaborador Luis Jerferson Almeida Rosa. A prioridade da empresa, neste momento, é prestar todo o suporte médico, psicológico e material às vítimas e seus familiares.

Com relação à sua atuação, a EcoVR esclarece que dispõe de licenciamento ambiental para a realização de sua atividade fim (reciclagem de resíduos industriais) e que sua sede atende às exigências legais para a execução destas ações.

Como demonstração de sua transparência e lisura, a empresa está disponibilizando às autoridades todas as provas de que cumpria as normas de segurança do trabalho individual e coletiva, o que envolve desde acompanhamentos diários dos colaboradores, treinamentos constantes e orientações para utilização dos equipamentos de proteção e correto manuseio de objetos, instrumentos e veículos.

Por fim, a EcoVR reforça sua confiança no trabalho da Polícia Técnico-Científica e sua disposição de colaborar para a elucidação das causas do acidente ocorrido no dia 30 de maio.