Mobilidade Urbana

Sistema de bicicletas públicas compartilhadas será implementado em Goiânia em dezembro

O modelo das bicicletas e os pontos onde estarão localizadas as 15 estações vão ser apresentados no próximo dia 8 de novembro, em solenidade no Paço Municipal




A cidade de Goiânia terá bicicletas públicas compartilhadas a partir de dezembro. O prefeito Paulo Garcia assinou o termo de autorização do serviço na manhã desta quarta-feira (26) no Paço Municipal. O evento integra as comemorações do aniversário de 83 anos da Capital.

Com a assinatura do termo, a empresa Serttel Ltda, que foi a vencedora do edital de chamamento público apresentado pela Prefeitura de Goiânia, via Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), iniciará a implantação de 15 estações de bicicletas públicas na região Centro-Sul da cidade. O projeto tem o patrocínio da Cooperativa de Trabalho Médico (Unimed Goiânia).

O prefeito Paulo Garcia explica que este projeto integra os investimentos da administração municipal em mobilidade urbana. Segundo ele, a persistência na busca de resultados tem sido constante nessa administração. “Desde o início de 2012 buscávamos parceiros para implementar o projeto das bicicletas públicas. Hoje, para nós é um orgulho anunciar a implantação deste projeto em parceria com a Unimed Goiânia”, disse Paulo Garcia.

A diretora do Conselho Técnico, da Unimed Goiânia, Raquel Costa Coelho, diz que a entidade está lisonjeada em participar do projeto, que vai agregar mais qualidade de vida para os cidadãos goianienses: “Esse projeto não preza somente pelo incentivo à saúde, mas também pelo desenvolvimento sustentável. Esperamos que esse projeto cresça e sirva de exemplo para outras cidades da região metropolitana”.

O prefeito afirma que o uso de bicicletas tem aumentado na cidade com as implantações das vias para circulação de ciclistas – já existe quase 80 quilômetros de trechos cicloviários interligando diversos bairros. “Com a instalação de estações de bicicletas em pontos estratégicos da Capital, a circulação de bicicletas tende a crescer ainda mais, sobretudo nas proximidades dos equipamentos públicos”, diz.

Paulo Garcia afirma que, além das vias prioritárias, agora a Prefeitura, com as bicicletas públicas, também oferecerá um novo modal de transportes para regiões mais adensadas dos grandes centros urbanos, de forma integrada com a rede de transporte coletivo.

Ele explica que o sistema de compartilhamento de bicicletas públicas opera alimentado por energia solar e as estações são conectadas via internet, possibilitando que os usuários retirem as bicicletas usando aplicativos para smartphones. “Com o sistema de compartilhamento, as pessoas poderão alugar a bicicleta, após cadastro, por meio de um cartão magnético, para uso por período pré- determinado.” O serviço terá quatro taxas de uso, R$ 4,00 para um dia, R$ 8,00 mensal, R$ 35,00 semestral e R$ 70 anual. O cadastro e o pagamento serão feito de forma digital, via internet.

O modelo das bicicletas e os pontos onde estarão localizadas as 15 estações vão ser apresentados para a sociedade no próximo dia 8 de novembro, em solenidade no Paço Municipal. “Estamos finalizando os estudos técnicos junto com a empresa Serttel, que já opera esse sistema em diversas capitais do País”.

A previsão é de que a inauguração das 15 estações de bicicletas públicas compartilhadas aconteça em dezembro. “Espero que este projeto estimule ainda mais o cicloativismo, que já tem muito adeptos em Goiânia. Temos certeza que as bicicletas públicas serão um sucesso”, afirma Paulo Garcia, que reforça que caberá também à população a responsabilidade pelo zelo dos itens e infraestrutura.

O diretor técnico da CMTC, Sávio Afonso, informa que estudos indicam que cerca de 4% da população de Goiânia e 6% da região metropolitana já utilizam a bicicleta como meio de locomoção. O transporte público coletivo é usado por 30% desta população. Diante deste cenário, ele avalia que o incentivo ao uso da bicicleta favorece a inclusão de parcela da população e preserva o direito de ir e vir dos cidadãos nos diferentes espaços da cidade. “Em 2012, tínhamos apenas cinco quilômetros de trechos cicloviários e vamos terminar essa gestão com mais de 100 quilômetros entregues, além das bicicletas públicas, que vão coroar este projeto de mobilidade urbana implantado em nossa cidade”.

Tópicos