Harmonia nas relações

Sexo tântrico: saiba tudo da prática feita por Angélica e Luciano Huck

Pratica busca levar pessoas a terem mais harmonia em relações e isso, eventualmente, se reflete no sexo


Joao Paulo Alexandre
Do Mais Goiás | Em: 06/11/2020 às 18:10:12

Sexo tântrico: saiba tudo da prática feita por Angélica e Luciano Huck (Foto: reprodução/internet)
Sexo tântrico: saiba tudo da prática feita por Angélica e Luciano Huck (Foto: reprodução/internet)

Em recente entrevista ao programa Lady Night, da Tatá Werneck, o apresentador Luciano Huck revelou que é adepto ao sexo tântrico com Angélica. Além disso, o comunicador afirmou que a prática é um dos segredos da vitalidade do casamento de ambos. Mas afinal, o que é o sexo tântrico?

Antes de tudo, segundo a terapeuta tântrica Edilza Costa, o termo é inadequado. Sexo tântrico é a consequência da abordagem do Tantra. Este, por sua vez, busca levar a pessoa para um estado de percepção e consciência expandida, no qual ela observe que o seu jeito de ser pode influenciar nas ações pensamentos, palavras e ações.

“Uma pessoa ansiosa, agitada, depressiva, angustiada, nervosa irá, invariavelmente, espelhar o seu jeito de ser na forma como atua sobre o ponto de vista comportamental, no mundo. Com o sexo acontece o mesmo, transferência de transtornos comportamentais no ato sexual”, explica.

Sexo tântrico: saiba tudo da prática feita por Angélica e Luciano Huck

(Foto: reprodução)

Para isso, segundo ela, o tantra existe para ajudar as pessoas terem uma vida mais harmônica. ” [Os benefícios são] Mais calma, mais confiança, maior interação com parceiros, maior intimidade… O resultante dessas são refletidos em termos de bem estar e prazer compartilhado. Desenvolver a habilidade de compartilhar, dar e receber num nível de maior intimidade trará reflexos bem significativos e mais resolutivos na vida da pessoa. O ato sexual será, então, o mais íntimo momento de partilha que irão refletir em todos os aspectos da vida da pessoa.”

Ela explica que, para um casal se tornar adepto do tantra, primeiramente deve buscar desenvolver um campo de harmonia e crescimento da relação. Para isso, cursos com esses ensinamentos são ofertados.

Quando ocorre esse alinhamento como uma cumplicidade que favorece a relação harmônica, o casal encontra as melhores condições para que as práticas tântricas possam ser exercidas na relação. Sem isso, não haverá as condições ideais. Os exercícios incluem a expansão da condição orgástica de ambos, que podem ser ampliadas e um incremento significativo nas afinidades e sintonias do casal.

A terapeuta também releva que, para isso acontecer, todos os tipos de preconceitos devem ser desmistificados por ambos. “O preconceito desfavorece a intimidade. O tantra precisa da entrega, da confiança, sem os quais não haverá nenhum avanço. Tantra significa expansão, com liberdade e responsabilidade. O preconceito limita a possibilidade da pessoa expandir, restringindo o avanço sensorial. Tantra é considerado desrepressor porque a pessoa avança na perspectiva de se permitir sentir e compartilhar seus sentimentos e sua intimidade.”

Sexo tântrico: saiba tudo da prática feita por Angélica e Luciano Huck

(Foto: divulgação)

Sexo tantra na terceira idade pode?

Claro que pode. Edilza explica que não é a atoa que essa é chamada de “melhor idade” pois essas pessoas já possuem uma concepção melhor sobre os dilemas da cumplicidade.

Muitas das maiores preocupações pessoais da pessoa já inexistem na terceira idade e a pessoa compreende que a ansiedade e muitas preocupações são desmanchadas nesse tempo de vida ficando mais fácil permitir-se o prazer e a expansão dos sentidos. Muitas pessoas da melhor idade estão buscando as meditações e práticas tântricas que objetivam a ampliação do prazer. Os benefícios hormonais são imensos.
Sexo tântrico: saiba tudo da prática feita por Angélica e Luciano Huck

(Foto: divulgação)

E os casais homoafetivos? Também podem se adaptar à pratica?

Como foi dito anteriormente, os preconceitos devem ser desmistificados no Tantra. Segundo Edilza, a prática se adequa às condições dos parceiros e as suas necessidades.

“Os grupos e trabalhos tântricos do Deva Nishok se tornaram uma referência mundial não só pela qualidade dos seus resultados, mas, também, por permitirem que a homoafetividade ingressasse como uma atualização dos conteúdos tântricos, uma vez que o tantra era uma escola de prevalência e predominância de heteroafetivos. Nishok abriu a perspectiva no universo tântrico de que casais homoafetivos não ficassem excluídos dessa abordagem”, explica.

Tantra Saiba tudo da prática feita por Angélica e Luciano Huck

(Foto: divulgação)