Operação Cegueira

Sete pessoas são presas por fraude de mais de R$ 100 milhões no Detran

Crimes foram cometidos na gestão anterior, entre 2014 e 2015, e resultaram em fraude de mais de R$ 100 milhões. Até o momento, foram apreendidos 16 veículos e uma motocicleta, obras de arte, relógios de luxo e uma grande quantidade de dinheiro


Jessica Santos
Do Mais Goiás | Em: 07/11/2019 às 14:50:21

Sete pessoas foram presas por corrupção, lavagem de dinheiro e desvio de recurso do Departamento Estadual de Trânsito de Goiás (Detran). (Foto: SSP-GO)
Sete pessoas foram presas por corrupção, lavagem de dinheiro e desvio de recurso do Departamento Estadual de Trânsito de Goiás (Detran). (Foto: SSP-GO)

Sete pessoas foram presas por corrupção, lavagem de dinheiro e desvio de recurso do Departamento Estadual de Trânsito de Goiás (Detran). Denominada Cegueira, a operação cumpriu, na manhã desta quinta-feira (7), 55 mandados de busca e apreensão: 32 contra pessoas e 23 contra empresas. Crimes foram cometidos na gestão anterior, entre 2014 e 2015 e resultaram em fraude de mais de R$ 100 milhões, segundo a Polícia Civil.

Ex-presidente do Detran, João Furtado, não foi alvo de prisão, como este portal noticiou anteriormente, mas de mandado de busca e apreensão (ver errata ao fim do texto)

As investigações da Polícia Civil (PC) e Secretaria de Segurança Pública (SSP) apontam que foram obtidos mais de R$ 100 milhões entre 2015 a fevereiro de 2019, por meio de superfaturamento e reajustes ilegais. O valor teria sido resultado de fraude em processo licitatório realizado pelo Detran em 2014 para o serviço de vistoria veicular. A apuração mostrou diversas ilegalidades no procedimento, entre elas, critério indevido de julgamento de propostas; direcionamento na confecção do edital e ausência de audiência pública, bem como irregularidades relacionadas à habilitação da empresa Sanperes.

Até o momento, foram apreendidos 16 veículos e uma motocicleta, obras de arte de artistas renomados, como Antônio Poteiro, relógios de luxo e uma grande quantidade de dinheiro que ainda está sendo contabilizada. O balanço da operação será apresentado, às 15 horas, logo após inauguração da sede do Grupo Especial de Combate à Corrupção (GECCOR), da Polícia Civil, no Setor Aeroviário.

Prisões

Entre os presos está o dono da Sanperes, Daniel Ganda dos Santos, e outras seis pessoas. O ex-presidente do Detran, João Furtado foi alvo de busca e apreensão. Em nota, a defesa de João afirmou ver com perplexidade a determinação de busca e apreensão na residência do ex-presidente do Detran, visto que ele foi o responsável por requerer as investigações em 2015. Segundo o texto, o investigado prestou depoimento no ano em questão e respondeu todos os questionamentos.

“Todas essas questões serão enfrentadas no âmbito judicial, onde será demonstrado que João Furtado não possui qualquer vinculação com atividade e ou fatos ilícitos, pelo contrário, por onde passou, sua conduta sempre foi pautada pela retidão”, diz documento.

Também por meio de nota, a empresa Sanperes disse que foi surpreendida com a abordagem de agentes da PC que atuaram na Operação Cegueira. Conforme o texto, a empresa e os sócios não foram intimados para nenhum ato jurídico anterior.

“Trata-se de uma arbitrariedade perante a empresa, que sempre atuou dentro da legalidade, prezando pela ética e honestidade em suas atividades. A Sanperes e seus sócios possuem conduta ilibada reconhecidamente em todo o Estado de Goiás. O corpo jurídico da empresa irá tomar as providências cabíveis dentro da legalidade, buscando a apuração dos fatos e a efetivação da justiça, além de atuar no sentido de contribuir com o bom andamento do processo”.

O Mais Goiás tenta contato com a defesa de Daniel Ganda.

Errata

O ex-presidente do Detran, João Furtado, não foi alvo de busca e apreensão como este portal noticiou de forma errônea anteriormente. O Mais Goiás lamenta o equívoco e pede desculpas pelo erro.