Paralisação

Servidores municipais de Senador Canedo protestam contra suspensão de licenças e férias

Cerca de 300 manifestantes se reuniram na Praça Criativa e cobram ainda o pagamento de gratificações e a realização do concurso

Cidades

Joao Paulo Alexandre
Do Mais Goiás | Em: 08/11/2018 às 12:22:15

Manifestantes se reuniram na Praça Criativa (Foto: Sindsaúde)
Manifestantes se reuniram na Praça Criativa (Foto: Sindsaúde)

Diversos profissionais da prefeitura de Senador Canedo protestam na manhã desta quinta-feira (8) contra um decreto assinado pelo prefeito Divino Lemes (PSD) que suspende licenças e férias. Além disso, outra reivindicação da categoria é que haja o cumprimento de outra lei que prevê o pagamento de gratificações por formação educacional.

Segundo Flaviana Alves, presidente do Sindicato dos Servidores da Saúde de Goiás (Sindsaúde), uma das classes representadas, 300 pessoas se reuniram na Praça Criativa. Ela explica que a lei municipal 1744/2010, que prevê o acréscimo de 5% no salário dos cerca de 3 mil servidores a cada três anos não vem sendo cumprida desde a sua promulgação.

“Como aqui não tem o quinquênio, que é o abono que todo o funcionário público tem direito após cinco anos de trabalho, esse foi o modelo adotado. Já tem oito anos que não está sendo cumprida e a determinação era que fosse realizada no primeiro ano de mandato do atual prefeito”, conta.

Além disso, sindicalista ressalta que a gratificação por formação educacional também não vem sendo realizada desde 2015. Segundo ela, o estatuto do servidor municipal destaca o acréscimo de porcentagem para o profissional que fez uma pós-graduação ou mestrado. “Todos os profissionais que entram com o processo para a regularização dos salários estão com os mesmos parados e sem previsão para que os mesmos sejam avaliados. Além disso, um concurso deveria ser feito este ano para contração de funcionários, que não foi realizado. A cidade conta com um grande número de comissionados”, conta.

Outra reclamação dos manifestantes é sobre o decreto 2061/18, que entrou em vigor no dia 1° de novembro, no qual reduz em 50% a gratificação nos meses de novembro e dezembro e suspende o direito de licenças e férias durante 120 dias. “Muitas pessoas aguardam esses momentos para cuidar de seus filhos, que não tem com quem deixar. Nem sempre é para viajar”, ressalta Flaviana, que conta que outra paralisação está marcada para o dia 21, às 8 horas.

Ao Mais Goiás, o prefeito Divino Lemes explicou que as ações visam fechar o exercício financeiro de 2018. Sobre a relação das férias, ele conta que quase não são realizados pedidos nesta época ano. “Vemos uma maior demanda no meio do ano. Agora, se nós vamos conter despesas, temos que evitar esses remanejamentos de funcionários que acabam entrando dentro do orçamento público”, conta.

Sobre os decretos, o prefeito disse que eles estão sendo analisados, pois todos “estão sendo realizados buscando economicidade dentro do funcionamento municipal”. “Não somos intransigentes. Mas realizamos cálculos que caibam financeiramente dentro da situação da prefeitura” destaca.

De acordo com o prefeito, as progressões estão em estudo e que o concurso deve ser realizado no próximo ano. “Estamos realizando um recadastramento individual que acredito que fique pronto nos próximos dias. Além disso, a empresa que aplicará a prova do concurso está terminando a licitação, pois o certame não foi realizado devido diversas impugnações. Se não ocorrer mais nenhuma, até o início de 2019 deverá ser realizado”, ressalta