Do Mais Goiás

Servidores de Saúde de Aparecida fazem protesto por direitos trabalhistas

Trabalhadores pedem o pagamento da data-base de 2020 e de 2021 e cumprimento das regras de progressão de carreira, entre outros

Manifestação cobra direitos trabalhistas para servidores municipais de saúde, em Aparecida (Foto: Divulgação/SindSaúde)
Manifestação cobra direitos trabalhistas para servidores municipais de saúde, em Aparecida (Foto: Divulgação/SindSaúde)

Servidores da Saúde de Aparecida e membros do Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Único de Saúde no Estado de Goiás (Sindsaúde) organizam nova manifestação para a manhã de sexta-feira (11), próximo ao antigo Cais do Garavelo. A categoria solicita cumprimento de acordos trabalhistas como progressão da carreira e pagamento de piso salarial para agentes Comunitários de Saúde (ACS) e de Endemias (ACE).

Entre as pautas, os trabalhadores pedem o pagamento da data-base de 2020 e de 2021; o cumprimento das regras de progressão de carreira; o pagamento do piso salarial dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e de Endemias (ACE); o respeito à proporcionalidade salarial entre níveis (prevista no Artigo 7° da Lei 085/14) e a instituição do plano de carreira para motorista de ambulância e servidores administrativos.

Na quinta-feira (9), a categoria se reuniu com representantes da prefeitura na tentativa de acordo. No entanto, segundo a secretária geral do Sindisaúde, Flaviana Alves, não houve acordo. Essa é a quarta reunião deste tipo desde que os servidores de saúde apresentaram as demandas em fevereiro. Nova reunião está marcada para o dia 24 de junho. A prefeitura ficou de estudar algumas das propostas.

“A prefeitura alega que as demandas ferem a Lei Complementar 173/2020 [que proíbe o reajuste no salário de servidores federais, estaduais e municipais até 31 de dezembro de 2021]. No entanto, a data base se trata de correção inflacionária, não de aumento salarial, a mesma coisa com o piso dos agentes”, diz.

No dia 24 de maio, houve paralisação semelhante. “Esperamos conscientizar as pessoas e também a prefeitura para o trabalho que a categoria faz no contexto da pandemia”, explica Flaviana.

O Mais Goiás entrou em contato com a Secretaria Municipal de Saúde e aguarda posicionamento.