Comboio/Protesto

Servidores da Segurança Pública viajam à Brasília para ato contra a Reforma da Previdência

Segundo Sinpol, agentes de segurança necessitam de tratamento diferenciado quanto à aposentadoria. Trabalhadores consideram movimento do governo federal uma traição


Hugo Oliveira
Do Mais Goiás | Em: 21/05/2019 às 11:18:11

Agentes de segurança pública reunidos para iniciar viagem à Brasília (Foto: PRF)
Agentes de segurança pública reunidos para iniciar viagem à Brasília (Foto: PRF)

Servidores da Segurança Pública Goiana seguem em comboio para Brasília na manhã desta terça-feira (21) com objetivo de participar de uma manifestação nacional contra a Reforma da Previdência. A expectativa, segundo o presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Goiás (Sinpol), Paulo Sérgio, é de que pelo menos 700 integrantes da corporação goiana compareçam. Policiais rodoviários federais com atuação no estado, guardas civis metropolitanos e agentes prisionais engrossam o movimento.

De acordo com Paulo, nas eleições de 2018, as categorias da Segurança Pública em Goiás realizaram um apoio massivo ao então candidato Jair Bolsonaro (PSL). Quatro meses depois da posse, porém, os servidores públicos se unem para manifestar indignação com a proposta de reforma previdenciária enviada pelo governo federal à Câmara dos Deputados.

“Nos sentimos traídos pelo presidente. Viajamos à Brasília para mostrar à sociedade que o policial e os demais agentes de segurança pública precisam de um sistema diferenciado de aposentadoria. São profissões de risco. A de policial, por exemplo, é a segunda mais estressante, perdendo apenas para a de mineradores de carvão”.

Para Paulo, pelas características do trabalho dessas carreiras, esses profissionais precisam também de um tratamento distinto o que diz respeito à aposentadoria. “Não temos adicional noturno, direito de greve, hora extra, insalubridade, nada do que o cidadão comum tem acesso. “Aumentando o tempo de contribuição qual será o atrativo da profissão?”, questiona.

A reforma, segundo ele, irá provocar o envelhecimento das forças policiais, o que pode prejudicar a qualidade do serviço prestado e adicionar mais risco à segurança dos agentes. “Imagine o policial de 60 anos enfrentando bandido de 25? Como vamos pular muro, arrebentar porta, lidar com cães de guarda? Não pedimos privilégio, a condição de nosso trabalho exige isso. É um direito nosso”.

Movimentação

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o ato tem concentração agendada para as 12h, na Esplanada dos Ministérios, na Capital Federal. Em razão dos mais de 10 ônibus fretados para transportar os agentes e do grande fluxo de veículos nas estradas, os policiais pedem aos condutores que tenham atenção redobrada no trecho entre Goiânia e Brasília. O comboio, formado também por carros de passeio, segue sem formar congestionamentos.