“Será que não ‘tá’ na hora de termo um ministro do STF evangélico?”, questiona Bolsonaro na Assembleia de Deus, em Goiânia

O presidente veio participar do evento cristão e aproveitou para fazer um encontro com representantes dos poderes Legislativo e Executivo de Goiás


Bárbara Zaiden
Do Mais Goiás | Em: 31/05/2019 às 12:58:06

Bolsonaro na Igreja Assembleia de Deus, em Goiânia (Foto: Bárbara Zaiden)
Bolsonaro na Igreja Assembleia de Deus, em Goiânia (Foto: Bárbara Zaiden)

Em visita a Goiânia na manhã desta sexta-feira (31), o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), discursou na 46ª Assembleia Extraordinária da Convenção das Assembleias de Deus, que ocorre na Assembleia de Deus, Ministério Madureira, no bairro Campinas. Bolsonaro veio para participar do evento e aproveitou para fazer um encontro com representantes dos poderes Legislativo e Executivo de Goiás. O governador do estado, Ronaldo Caiado (DEM), também esteve no evento.

Durante discurso, feito dentro da igreja, para centenas de fiéis presentes, além da imprensa, Bolsonaro questionou se exite algum ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) que seja evangélico ou “cristão assumido”. “Não me venha a imprensa dizer que eu quero misturar a Justiça com religião. Todos nós temos uma religião ou não temos. E um tem que respeitar o outro. Será que não ‘tá na hora de termos um ministro do STF evangélico?”, questionou. A plateia respondeu ovacionando o presidente, com aplausos e gritos de “mito”.

A fala de Bolsonaro foi uma referência à votação da criminalização da homofobia pelo Supremo. Na última semana,  a maioria dos ministros já votou a favor de que a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero seja considerada um tipo de racismo. Na prática, isso criminaliza a homotransfobia no Brasil.

“O STF, agora, está discutindo se homofobia pode ser tipificado como racismo. Desculpa, agora, o STF, que eu respeito. Jamais questionaria outro poder. Mas me parece que estão legislando… E eu pergunto para os senhores: ‘o estado é laico, mas eu sou cristão’.” E completou: Se me permitem plagiar a ministra Damares: ‘eu também sou terrivelmente critão’.”

Recepção a Bolsonaro em Goiânia. Governador Caiado ao fundo (Foto: divulgação/Governo)

O discurso do presidente foi permeado por conteúdos de cunho cristão, convocando a comunidade presente na Assembleia de Deus a trabalhar ao lado dele neste mandato. Ele ainda reconheceu o crescimento da bancada evangélica.

Bolsonaro ainda fez questão de dizer, diversas vezes, que a imprensa deturpa o que ele diz. “Se me permitem, agora, com a imprensa presente aqui. Eles vão ter que desvirtuar alguma coisa, como sempre”. A plateia presente riu e aplaudiu, mais uma vez, o presidente.

O presidente da República não falou à imprensa, apenas às televisões estatais enquanto esteve no Palácio das Esmeraldas com secretários e deputados estaduais. Ele comentou que há a possibilidade de rever o artigo 28 da Reforma da Previdência. O artigo prevê a retirada de deficientes intelectuais leves e moderados do direito a receber o benefício de receber pensão dos pais. Se aprovado como está, o texto deve incluir no benefício apenas os deficientes de grau elevado.