Jose Abrão
Do Mais Goiás

Segundo pesquisa, comportamento masculino no Brasil tem mudado para melhor

Entrevista e análise do conteúdo pesquisado por homens na internet brasileira revelou que muitos estão deixando de lado tabus da masculinidade

O comportamento masculino do brasileiro está começando a dar sinais de mudanças positiva. Foi isso que concluiu um levantamento promovido pelo BrandLab, em São Paulo, que analisou o que os homens têm pesquisado no Google e no YouTube além de conduzir entrevistas.

Os dados revelaram que 40% dos acessos sobre conteúdo de cuidado com crianças no YouTube brasileiro vem de homens. Além disso, a visualização de homens em vídeos sobre cuidados com a aparência cresceu 44% só ano passado.

A relevância da beleza cresceu muito no interesse masculino: dos entrevistados, 93% disseram que cuidar da aparência é importante é 90% afirmaram usar produtos cosméticos. Além disso, 30% declararam assistir a vídeos no YouTube ou ler textos sobre produtos de beleza enquanto 49% disseram que discutem sobre produtos e como usá-los com colegas se lhe é dada a oportunidade.

Pesquisas envolvendo machismo também cresceram. O termo “machismo no Brasil” foi o terceiro mais procurado no Google no ano passado; em primeiro ficou “o que é ser machista” e em segundo “o que é machismo”.

Entre os entrevistados, 34% assumem trabalhos domésticos, mais da metade gostaria de ter mais liberdade para expressar seus sentimentos e 78% acreditam que há machismo no Brasil.

Mas a pesquisa também revelou que as coisas ainda não estão tão boas: mais da metade dos entrevistados disse já ter sido chamado de ‘gay’ por ter compartilhado seus sentimentos. Os homens ainda possuem uma taxa de suicídio no Brasil quatro vezes maior que as mulheres.

Também são os que mais matam e mais morrem. O número de homens mortos violentamente é 10 vezes maior que o número de mulheres e 53% dos mortos de forma violenta entre 14 e 19 anos são homens (dados do Atlas da Violência).

Você pode obter mais detalhes através de um infográfico compartilhado pela BrandLab.