Francisco Costa
Do Mais Goiás

Rogério Cruz diz que gestão pertence ao Republicanos, mas inclui MDB

Entrevista foi dada horas antes do anúncio da saída de Luiz Bittencourt da Seinfra

Rogério Cruz ainda não definiu se comércio fecha na próxima semana
Rogério Cruz (Foto: Jucimar Sousa/ Mais Goiás)

Em coletiva na manhã desta quarta-feira (31), o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), justificou as trocas de secretários neste momento da gestão. Segundo ele, hoje a administração pertence ao Republicanos – mas com o MDB junto. “[Então] Nada mais justo que pegar essas secretarias e unir o útil ao agradável para fortalecer o gestor Rogério Cruz”, disse, referindo-se a si mesmo em terceira pessoa.

Rogério disse que manteve nomes no primeiro escalão a pedido do ex-prefeito Iris Rezende (MDB), mas que, desde a morte de Maguito Vilela (em 13 de janeiro), quando ele se tornou prefeito de fato, passou a estudar essa reforma administrativa.

“Sempre foi dito, desde o início, que existem secretarias que são o braço direito e responsabilidade do próprio prefeito”, inicia justificativa. “Eu estive então à frente da prefeitura desde 1º de janeiro, respeitando esses espaços. Mas a partir do momento que assumo de fato a prefeitura, começamos a iniciar um trabalho, de busca de pessoas que pudessem assumir essas secretarias, que são exclusivas, a base do Executivo.”

De acordo com Rogério, o corpo de secretários foi montado pelo MDB, juntamente com ele e o presidente do MDB Goiás, Daniel Vilela. “Mas hoje pertence a gestão do Republicanos, junto com MDB.”

Alterações

Já desembarcaram da prefeitura Andrey Azeredo (secretaria de Governo), Bruno Rocha Lima (Comunicação), Marcelo Ferreira (Educação), Marcela Teixeira (Administração), e Zilma Peixoto (Amma) além de membros de escalões menores. Cultura também deve ter troca de comando.

Segundo apurado pelo portal, existe uma insatisfação crescente do MDB junto a gestão de Rogério Cruz, que tem feito uma reforma desprestigiando maguitistas e iristas – o que não necessariamente atinge todo o partido, visto que o filho do vereador Clécio Alves (MDB), Luan Alves, assumiu a Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma).

O próximo a sair, destaca-se, deve ser ex-deputado federal Luiz Bittencourt, que já deixou o grupo de WhatsApp de secretários.