Choque

Rio de Janeiro: Jovem morre eletrocutada em festa e organizadores tratam como ‘acidente’

'Terreirão do Samba', onde jovem morreu, não tem licença do Corpo de Bombeiros. 'Quantos vão ter que morrer?', pergunta a irmã da jovem


Fabricio Moretti

Do Mais Goiás | Em: 15/04/2019 às 15:33:57


A estudante de odontologia Maria Fernanda Ferreira de Lima morreu após ser eletrocutada durante evento de música (Foto: Facebook / Reprodução)
A estudante de odontologia Maria Fernanda Ferreira de Lima morreu após ser eletrocutada durante evento de música (Foto: Facebook / Reprodução)

A estudante de Odontologia Maria Fernanda Ferreira de Lima, de 20 anos, morreu eletrocutada na madrugada do último domingo (14), no Terreirão do Samba, na Praça Onze, Rio de Janeiro. Segundo amigos, ela levou  um choque ao encostar numa barra de ferro no festival de funk. Uma amiga de Fernanda também levou um choque, mas passa bem.

Maria Fernanda chegou a ser socorrida por equipes médicas que estavam no evento. Segundo amigos, enquanto recebia os primeiros atendimentos, Ela morreu no Hospital Souza Aguiar depois de sofrer quatro paradas cardíacas. A estudante era a caçula de uma família com quatro irmãs. Ela foi à festa junto com um grupo de amigos.

Família

Gabriela Lima, irmã de Maria Fernanda, diz que, para a família, não foi acidente o que aconteceu com a jovem. Essa foi a forma como os organizadores trataram o caso, em nota divulgada em sua rede social. Mas para parentes da estudante de odontologia, o que houve foi negligência.

“Foi tudo negligência. Tinha fio desencapado. Numa festa com essa estrutura, como não fiscalizar?”, indagou a jovem que, por essa razão, cobra justiça. “A gente quer justiça. Não foi acidente. Não fiscalizaram o local. Quantos vão ter que morrer? Quantos vão ter que ir para o caixão para fazerem alguma coisa? Estou aqui por justiça. Não foi acidente”, disse ela.

O corpo de Maria Fernanda foi velado na capela dois do Cemitério de Irajá.

O evento foi organizado pelo coletivo Puff Puff Bass e realizado com autorização da Secretaria municipal de Cultura (SMC), que faz a gestão do Terreirão do Samba, tendo cedido o espaço em troca de 15% da bilheteria. Em nota, a SMC informou que está colaborando com a polícia e o local onde ocorreu o acidente passou por inspeção da policia civil.

A produção do evento divulgou uma nota por redes sociais nas quais lamentou a morte da estudante universitária. “Estamos totalmente desolados com o ocorrido e ficamos inteiramente à disposição para qualquer suporte necessário. Estamos trabalhando junto a autoridades competentes para esclarecer de fato o que provocou tal fatalidade. O dia é de extrema tristeza e de luto”, diz um trecho da nota.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o Terreirão do Samba não está regular e não tem licença para funcionar.

Universidade suspende aulas

A Universidade Veiga de Almeida, onde Maria Fernanda cursava Odontologia, publicou uma nota de pesar pela morte da jovem. As aulas do primeiro e segundo períodos de Odontologia foram suspensas nesta segunda e também na terça.