Do Mais Goiás

Reviravolta em caso de feminicídio aponta esposo de vítima como autor do crime

Caso aconteceu no dia 14 de janeiro deste ano, em uma chácara no Jardim Dom Bosco II, em Aparecida de Goiânia

Policial aposentado e esposo da vítima, Benedito Bento, foi apontado como autor do crime (Foto: Reprodução/TVAnhanguera)
Policial aposentado e esposo da vítima, Benedito Bento, foi apontado como autor do crime (Foto: Reprodução/TVAnhanguera)

Uma reviravolta em um caso de feminicídio contra Antônia Kátia Andrade, em Aparecida de Goiânia, levou a descoberta do nome do verdadeiro autor do crime, cometido em janeiro. A Polícia Civil concluiu que o policial da reserva e esposo de Antônia, Benedito Bento, foi quem cometeu o crime a golpes de faca. O homem havia incriminado seu genro, Vanderlei dos Santos, que estava preso injustamente até esta semana.

O caso aconteceu no dia 14 de janeiro deste ano, em uma chácara no Jardim Dom Bosco II, em Aparecida de Goiânia. De acordo com o delegado responsável pelo caso, Hudson Benedetti, a vítima estava bebendo com a filha o genro e o esposo, autor do assassinato no dia do crime.

Benedito e sua esposa começaram a discutir por causa da venda de um aparelho de som. Dentro do carro, antes de irem embora, o policial aposentado desferiu vários golpes de faca em sua esposa. Benedito ainda tentou socorrer a esposa e a levou até uma Unidade de Pronto Atendimento. No entanto Kátia não resistiu e faleceu. O socorro foi auxiliado por seu genro, Vanderlei.

Incriminação

Na ocasião, o policial da reserva havia incriminado o genro, que estava preso injustamente, desde então. O inquérito policial que levou a descoberta do verdadeiro autor do crime foi concluído nesta semana e enviado à Justiça. A investigação durou cinco meses.

Benedito foi indiciado e preso preventivamente por feminicídio e fraude processual por incriminação de terceiros. O genro que estava preso, Vanderlei foi liberado na última segunda-feira (31). Segundo as investigações, o policial aposentado encenou o papel de viúvo logo após o assassinato da esposa, Antônia Kátia Andrade, de 47 anos.

O delegado responsável pelo caso afirmou que após a morte de Kátia, Benedito lavou o veículo onde o crime foi praticado. A lavagem do carro levou os investigadores a desconfiarem que a autoria do feminicídio era de Vanderlei. “O autor do crime era policial da reserva e tinha plena consciência de que deveria apresentar o veículo intacto para a perícia”, declarou em entrevista ao Jornal Anhanguera.