Eduardo Pinheiro
Do Mais Goiás

Reunião de secretariado acaba em rixa entre ‘estrangeiros’ e emedebista

Debate sobre gestão gerou bate-boca entre Alessandro Melo e palestrante oriundo de Brasilía

100 dias de gestão: Rogério lembra de Maguito e diz que é hora de somar
Prefeito Rogério Cruz (Foto: Jucimar Sousa / Mais Goiás)

Reunião realizada no final da tarde de quarta-feira (31) mostra como está o clima no Paço Municipal. Uma palestra sobre governança realizada pelo consultor Geraldo Lourenço acabou em mal-estar, com o secretário de Finanças, Alessandro Melo, rebatendo o convidado.

Explica-se: Lourenço é de Brasília e veio a Goiânia a convite do atual secretário de Governo, Arthur Bernardes. Após expor ideias sobre compliance, transparência e assuntos correlatos, Alessandro Melo rebateu que faltava ao palestrante conhecimento sobre a capital goiana, já que foi justamente o modelo adotado para que a gestão anterior houvesse saneado a área fiscal.

Lourenço, por outro lado, disse que perda de poder e o compartilhamento fazem parte da cultura de gestão.

O pano de fundo da divergência é o desgaste entre nomes ligados ao MDB, de um lado, e ao Republicanos, do outro, com o iminente desembarque da alta cúpula do maguitismo.

Desgastes

Decretos publicados por Rogério Cruz (Republicanos) no final da noite de terça-feira (30) parecem ter sido a gota d’água na relação. Os documentos suspenderam contratos de asfalto celebrados em Goiânia e acumularam poder em torno de Arthur Bernardes, nome de confiança do prefeito. O que gerou pedido de exoneração do secretário de Finanças, Luiz Bittencourt, e reação do presidente estadual do MDB, Daniel Vilela.

O desgaste entre Rogério Cruz e o MDB teve início pouco mais de 3 meses após o início da gestão, quando o prefeito exonerou Andrey Azeredo da secretaria de Governo. A partir daí, o Paço iniciou mudanças rumo ao acomodamento do grupo político de Rogério Cruz: Republicanos e Igreja Universal, com enfraquecimento do maguitismo.