Alexandre Bittencourt
Do Mais Goiás

Restrições sanitárias e tempo ruim afastam cariocas das praias

Em cinco dias de restrições foram feitas 5.098 autuações na capital

Praia de Ipanema, na zona sul da cidade.Rio fica com as praias vazias neste sábado(20), após decreto com restrições para evitar o avanço da Covid-19. (Tânia Rego/Agência Brasil)
Praia do Rio de Janeiro (Tânia Rego/Agência Brasil)

No sexto dia do feriadão criado pelo governo do estado e pela prefeitura do Rio de Janeiro para diminuir aglomerações no estado e evitar a disseminação do novo coronavírus, poucos cariocas foram à praia nesta quarta-feira (31). Com a permanência nas areias proibida por decreto e com vento forte e céu nublado, apenas alguns banhistas entraram no mar ou foram vistos praticando esportes individuais.

Mesmo assim, a reportagem da Agência Brasil percorreu as praias de Copacabana, Ipanema, São Conrado e Barra da Tijuca, e constatou casos de pessoas em cadeiras de praia ou deitadas sobre cangas, o que não é permitido. No Arpoador, policiais militares passaram pelos banhistas em quadriciclos, mas não pararam. A fiscalização principal coube a agentes municipais da Secretaria de Ordem Pública (Seop), vistos circulando pela orla em camionetes.

A maior parte dos quiosques à beira-mar permaneceu fechada, pois o decreto municipal permite apenas a venda de produtos para entrega, proibindo a permanência de clientes em mesas e cadeiras dentro dos estabelecimentos. Alguns poucos estavam abertos, mas a procura de clientes era muito baixa.

Segundo o balanço da Seop, em cinco dias de fiscalizações do novo decreto, foram realizadas 5.098 autuações, entre multas e interdições a estabelecimentos, infrações sanitárias, multas de trânsito, reboques e apreensões de mercadorias. Durante esse período, foram aplicadas 371 multas a bares, restaurantes e ambulantes, além da interdição de 48 estabelecimentos que descumpriam as determinações atuais.