Operação Custo-Zero

Residência de ex-prefeito de Minaçu é alvo de mandados de busca e apreensão em operação da PC

De acordo com o delegado Webert Leonardo, Nick Barbosa (DEM) responderá por crime de responsabilidade, crime ambiental e posse de arma de fogo. Ele já havia sido afastado do cargo em maio deste ano


Joao Paulo Alexandre
Do Mais Goiás | Em: 28/06/2019 às 19:30:05

Casa do ex-prefeito da cidade de Minaçu (Foto: Divulgação/PC)
Casa do ex-prefeito da cidade de Minaçu (Foto: Divulgação/PC)

Três mandados de busca e apreensão foram cumpridos, nesta quinta-feira (28), pela Delegacia de Repressões a Crimes Contra a Administração Pública (Decarp) durante a deflagração da Operação Custo-Zero, em Minaçu, a 505 quilômetros de Goiânia. O alvo foi a residência do ex-prefeito da cidade, Nick Barbosa (DEM), que, segundo a Polícia Civil (PC), utilizava recursos da prefeitura para realização de serviços pessoas.

De acordo com o delegado Webert Leonardo, o então prefeito estava sendo investigado há seis meses. Durante as investigações, ficou constatado que Nick, que foi cassado em maio deste ano, utilizava maquinário e funcionários da prefeitura para trabalhos em sua propriedade, como a construção de um muro, assentamento de cerâmica e troca de mancos de concreto no curral da fazenda, entre outros serviços.

“Estivemos no local e conseguimos as provas que precisávamos. Além disso, comprovamos a veracidade dos fatos com depoimentos de funcionários da prefeitura que confirmaram que estavam no local fazendo esses serviços pessoais ao ex-prefeito”, destaca.

Além disso, os policiais encontraram na residência de Nick um revólver calibre 38, cinco munições e mais de 5 mil litros de agrotóxicos. De acordo com do delegado, o ex-prefeito não possui nenhuma autorização para armazenamento do produto. “Ele não foi preso em flagrante pois não estava na residência, mas responderá por crime de responsabilidade, crime ambiental e posse de arma de fogo”, aponta.

Wabert destaca que as investigações continuam até a conclusão do inquérito. A deflagração da operação contou com o apoio do delegado Alexandre Otaviano, peritos criminais e fiscais da Agrodefesa. O Mais Goiás não conseguiu contato com a defesa de Nick Barbosa. O espaço permanece aberto para manifestação sobe o caso.

(Foto: Divulgação/PC)

(Foto: Divulgação/PC)

 

(Foto: Divulgação/PC)