FICOU PELADA PARA EVITAR PRISÃO

Repórter cai no riso ao vivo ao noticiar prisão de mulher nua; vídeo

A ex-capa da Playboy, que não usava roupas íntimas, chegou a levantar o vestido até a altura dos seios, e teve que ser imobilizada por uma policial civil mulher


FolhaPress
FolhaPress
Do FolhaPress | Em: 23/07/2020 às 21:45:20

A repórter Daniela Carla, da TV Gazeta, afiliada da Globo no Espírito Santo, caiu na risada ao vivo ao noticiar a prisão de uma mulher nua. (Foto: reprodução)
A repórter Daniela Carla, da TV Gazeta, afiliada da Globo no Espírito Santo, caiu na risada ao vivo ao noticiar a prisão de uma mulher nua. (Foto: reprodução)

A repórter Daniela Carla, da TV Gazeta, afiliada da Globo no Espírito Santo, protagonizou uma cena inusitada durante a edição do “ESTV” dessa terça-feira (21). A profissional não conseguiu segurar o riso, ao noticiar a prisão de Flávia Tamayo, garota de programa suspeita de envolvimento com tráfico de drogas.

Em coletiva de imprensa, o delegado Rafael Corrêa informou que Tamayo foi detida em um hotel de Vitória, Espírito Santo, e ofereceu resistência à prisão. A ex-capa da Playboy, que não usava roupas íntimas, chegou a levantar o vestido até a altura dos seios, e teve que ser imobilizada por uma policial civil mulher.

Ao explicar tais informações durante o link ao vivo, a repórter do “ESTV” se confundiu, e em certo momento acabou trocando a palavra “situação” por “posição”. “(…) Puxou o vestido para cima e ficou com as partes íntimas à mostra, o que deixou os policiais numa situação bem complicada para chegar nela e prender. Ainda bem que tinha uma policial mulher no meio, que conseguiu conter a Flávia, que estava nessa posição, nessa situação, completamente nua”, comentou, sem conseguir segurar o riso. “Perdão, gente”, declarou.

Ela até tentou prosseguir, mas a gafe causou divertimento da equipe por trás das câmeras. “O mandado de prisão é da Justiça do Distrito Federal. Ela é investigada pela Justiça do Distrito Federal… Que foi, Rafa?!”, questionou Daniela, gargalhando de alguém ao fundo.

A apresentadora do jornal cortou a transmissão e tentou amenizar o caso, afirmando que Carla estava trabalhando muito. “Ué? Acho que ela está trabalhando demais. Vamos fazer o seguinte, Dani Carla, daqui a pouquinho a gente volta a conversar, combinado? Tá trabalhando muito, tá com muitos casos a Dani Carla… Daqui a pouco a gente fala mais então, tá?”, avisou. Assista ao trecho abaixo:

Claro que o errinho da jornalista repercutiu muito nas redes sociais, virando até meme. Muita pessoas compreenderam a reação de Daniela e se preocuparam até com uma possível demissão. No Instagram, a repórter tranquilizou os seguidores e comentou, bem-humorada, sobre o deslize.

“Estou aqui para agradecer as inúmeras mensagens de carinho que recebi. Quem assistiu ao ‘ES1’ dessa terça-feira viu que errei. Eu ri ao vivo e não deveria. A notícia era séria, mas tinha um detalhe um pouco engraçado no meio. Eu tentei me segurar e não consegui e acabei rindo, mas não deveria”, reconheceu.

“O meu dia poderia ter terminado péssimo, mas não terminou por causa das tantas mensagens de vocês. Muito, muito obrigada! E pra quem perguntou se meu chefe brigou comigo, ele não brigou, ele até riu. Lógico, ele deixou claro que isso não pode acontecer direto, né?!”, completou.

Sobre a prisão 

A garota de programa Flávia Tamayo, de 22 anos, foi abordada e presa ao chegar à recepção de um hotel na praia de Camburi, em Vitória, nesta madrugada desta terça-feira (21). Segundo informações da Polícia Civil do Espírito Santo, a jovem é suspeita de integrar uma organização criminosa de garotas de programa de luxo que atuavam no tráfico de drogas no Distrito Federal.

“De acordo com levantamentos realizados pela Polícia do Distrito Federal, a informação que temos é que ela fazia um pacote, um combo de prostituição e venda de drogas, seja para consumo no momento daquela relação, seja para um momento posterior. Ela funcionava, num primeiro momento, como garota de programa fornecendo drogas para pessoas que estavam contratados seus serviços, mas também há indícios de que ela também tivesse algo como uma tele-entrega de drogas na capital federal”, explicou o titular da 1ª Delegacia Regional de Vitória, delegado Rafael Corrêa.

Nas imagens de videomonitoramento do hotel, Flávia aparece chegando na recepção do local, e é possível ver quando Corrêa, que vestia uma camisa do Flamengo, e mais um policial se aproximam dela. “Foi uma abordagem extremamente gentil, sem nenhum tipo de violência. Nesse momento, me identifiquei como delegado de polícia, mostrei para ela o mandado de prisão. Ela avisou a mãe dela por telefone, tirou foto do mandado e mandou para o advogado dela em Brasília”, disse o delegado.

“Após o momento em que demonstramos que ela deveria se dirigir para a sede da 1ª Delegacia Regional, foi aí que ela percebeu que não tinha mais saída, que estava presa. Num lapso psicológico dela, ela levantou o vestido até a altura dos seios, estava sem calcinha, começou a gritar e se debater no saguão do hotel. Conseguimos imobilizá-la com a ajuda de uma policial civil do sexo feminino, é importante frisar isso. Após ela ser imobilizada, foi necessário algemar e conduzir para a delegacia para os trâmites administrativos”, continuou Rafael.

A prisão preventiva dela foi decretada pela 1ª Vara de Entorpecentes do Distrito Federal, e o cumprimento do mandado foi solicitado pela 5ª Delegacia de Polícia de Brasília para a Polícia Civil capixaba.

Com a suspeita, a polícia apreendeu uma pequena quantidade de maconha, dinheiro e um aparelho celular. A polícia suspeita que Flávia estava no Espírito Santo para captar novos clientes. A jovem foi encaminhada para o Centro Prisional Feminino de Cariacica, local aonde permanece à disposição da Justiça do Distrito Federal.