Miss Liberdade

Em Goiás, reeducandas participam de desfile de moda pelo Dia Internacional da Mulher

Mais de 200 reeducandas da Casa de Prisão Provisória (CPP) e Penitenciária Consuelo Nasser, do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, participam da ação

Cidades

Thiago Burigato
Do Mais Goiás | Em: 07/03/2017 às 09:49:41


Mais de 200 reeducandas da Casa de Prisão Provisória (CPP) e Penitenciária Consuelo Nasser, do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, ganham uma manhã de festa na próxima sexta-feira dia 10, a partir das 9 horas. A Superintendência de Reintegração Social e Cidadania da Superintendência Executiva de Administração Penitenciária (Seap) realiza, juntamente com entidades parceiras, um café da manhã com desfile de moda para lembrar o Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março. No total, 12 internas se inscreveram para participar do desfile, concorrendo ao título de Miss Liberdade, concurso que prevê a premiação dos três primeiros lugares.

Segundo o superintendente Sidney Costa e Souza, o objetivo do evento é homenagear as mulheres que aguardam recurso ou julgamento ou foram julgadas e cumprem pena no Complexo de Aparecida de Goiânia. Atualmente, 60 reeducandas estão reclusas na Penitenciária Consuelo Nasser e outras 159 estão aguardando julgamento na Casa de Prisão Provisória. “Vamos propiciar que elas festejem o Dia da Mulher com um café da manhã especial e desfile com corpo de jurados e premiação”, afirma o superintendente.

Ainda de acordo com o superintendente, por questões de logística as internas da Penitenciária Consuelo Nasser serão transferidas para a CPP, onde há mais espaço para as comemorações. Além de contar com o apoio das unidades prisionais, a Superintendência de Reintegração Social e Cidadania da Seap, da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP), conta com o apoio de algumas instituições, entre elas a Delegacia de Atendimento à Mulher de Aparecida de Goiânia e a prefeitura do município.

Sidney Costa e Souza afirma que esta é uma das datas do calendário das mulheres internas no Complexo de Aparecida que passam a ser festejadas como medida de socialização e de valorização da mulher. “Muitas delas participam de atividades na indústria de confecção e também querem estudar; este será um próximo passo”, acentua o superintendente, ao explicar que está sendo feito o levantamento para identificar escolaridade das reeducandas e, assim, propor um plano de educação para aquelas que se interessarem.

Conforme assegura o Sidney, a Superintendência de Reintegração Social desenvolve vários projetos no Complexo Prisional de Aparecida. Além da indústria de confecções e teares que está sendo ampliada, alguns outros estão em fase de planejamento, como o de aproveitamento de lixo orgânico e o projeto de piscicultura. Segundo ele, Goiás é também referência para outros estados no que se refere a esforços para reintegrar internos do sistema penitenciário.