BOLSONARO NA MIRA

Ramagem e Valeixo depõem nesta segunda em inquérito do STF

Ex-ministro acusa o presidente Jair Bolsonaro de suposta tentativa de interferência na Polícia Federal; integrantes do governo e delegados da PF prestam depoimentos nesta semana

vini testePolítica

Agência O Globo
Agência O Globo
Do Agência O Globo | Em: 11/05/2020 às 13:33:18

Moro e Bolsonaro (Foto: Andre Coelho/Folhapress)
Moro e Bolsonaro (Foto: Andre Coelho/Folhapress)

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou no dia 27 de abril a abertura de inquérito para investigar o conteúdo do discurso de despedida de Sergio Moro do governo. O ex-ministro da Justiça acusou o presidente Jair Bolsonaro de tentar interferir nas atividades da Polícia Federal (PF). No pedido de abertura de inquérito, o procurador-geral da República, Augusto Aras, disse querer saber se Bolsonaro cometeu crime e também se Moro falou a verdade.

Confira os próximos passos do inquérito:

Depoimentos de Ramagem, Saadi e Valeixo

O diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, e o ex-superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro Ricardo Saadi depõem à Polícia Federal em Brasília, nesta segunda-feira, às 15h.O ex-diretor-geral da PF Maurício Valeixo também vai prestar depoimento nesta segunda, mas na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, às 10h.

Neste domingo, véspera da data agendada para seu depoimento à Polícia Federal, Ramagem visitou o presidente no Palácio da Alvorada, em Brasília, durante a manhã, segundo o “G1”.  Ele foi o nome escolhido para comandar a PF no lugar de Maurício Valeixo, mas sua nomeação foi barrada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF.

Ramagem deixou o Alvorada pouco antes das 13h e não falou com a imprensa. As assessorias da Abin e da Presidência da República não confirmaram o encontro, nem informaram o motivo da visita.

Exibição de gravação de reunião no Planalto

O ministro Celso de Mello autorizou o acesso da Procuradoria-Geral da República (PGR), da Polícia Federal e de Moro ao vídeo enviado pelo governo à Corte. A imagens são de uma reunião em que, segundo Moro, Bolsonaro tentou interferir de forma indevida nas atividades da PF.

A exibição do vídeo deve ocorrer nesta terça-feria e todos irão assistir simultaneamente na Polícia Federal em Brasília.

O ministro justifica o acesso ao vídeo para que as partes possam, tendo conhecimento pleno do que se passou na reunião ministerial de 22 de abril, no Palácio do Planalto, orientar a formulação de perguntas durante os depoimentos testemunhais.

Sigilo do vídeo

Antes da Advocacia-Geral da União (AGU) entregar o vídeo ao STF, na sexta-feira passada, o órgão pediu que a Corte reconsiderasse a entrega da gravação, argumentando que, no referido encontro, “foram tratados assuntos potencialmente sensíveis e reservados de Estado, inclusive de Relações Exteriores, entre outros”. Ao enviar o material ao Supremo, o governo pediu para que ele fique sob sigilo.

Em seu despacho, Celso de Mello afirmou que decidirá “brevíssimamente, em momento oportuno, sobre a divulgação, total ou parcial, dos registros audiovisuais” da reunião de 22 de abril.

Depoimentos de ministros militares

Os depoimentos dos ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), do núcleo militar do governo, estão previstos para ocorrer nesta terça-feira, às 15h. Os três depoimentos ocorrerão no Palácio do Planalto no mesmo horário, de forma simultânea, como uma estratégia investigativa para impedir a combinação de versões entre eles.

Apesar de os três ministros não serem investigados no caso, seus depoimentos podem ter diversas implicações jurídicas.

Depoimentos de delegados da PF

O ministro Celso de Mello determinou a oitiva de outros três delegados da PF: Carlos Henrique de Oliveira Souza (ex-superintendente no Rio de Janeiro), Alexandre da Silva Saraiva (ex-superintendente no Amazonas) e Rodrigo de Melo Teixeira (ex-superintendente em Minas Gerais). Souza e Saraiva devem ser ouvidos  a partir das 15h, nesta terça, na sede da PF em Brasília. O depoimento de Teixeira está previsto para 15h desta terça, mas o local ainda não foi definido.

Depoimento da deputada Carla Zambelli (PSL-SP)

O depoimento da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), que trocou mensagens com Sergio Moro sobre a demissão de Valeixo e uma possível indicação do ex-ministro para o STF em troca disso, está marcado para quarta-feira.

“ Por favor ministro, aceite o Ramagen, e vá em setembro para o STF. Eu me comprometo a ajudar a fazer JB (Jair Bolsonaro) prometer”, diz Carla, em mensagem enviada a Moro.

Em resposta, o ex-ministro afirma: “Prezada, não estou à venda”.

A deputada diz então que sabe que ele não está à venda, e Moro diz: “Vamos aguardar, já há pessoas conversando lá”, em relação à possível troca na PF.

Andamento do inquérito

Após a fase de depoimentos, produção de provas, quebra de sigilos e perícias pela Polícia Federa, o procurador-geral da República, Augusto Aras,  vai decidir se apresenta ou não denúncia contra o presidente pelos supostos crimes praticados.

Se Aras denunciar o presidente, a Câmara dos Deputados precisa autorizar o avanço da investigação e se, caso for aprovado o prosseguimento, o STF decide se recebe as acusações.