Protestos

Queimadas na Amazônia: Há atos marcados em 19 capitais e em mais 10 países

Protestos ganharam força com repercussões provocadas por famosos como Gisele Bündchen e Leonardo DiCaprio


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 23/08/2019 às 08:26:39

Fotos de queimadas feitas em 2005 (Foto: Caio Guatelli/Folhapress)
Fotos de queimadas feitas em 2005 (Foto: Caio Guatelli/Folhapress)

Dezenas de manifestações pelo Brasil e em mais dez países estão agendadas para ocorrer a partir desta sexta-feira, 23, em defesa da Amazônia e em protesto contra as políticas de meio ambiente. Os protestos ganharam força na quinta-feira (22), com diversas repercussões internacionais, envolvendo celebridades como Gisele Bündchen, Leonardo DiCaprio, Kim Kardashian e Madonna.

Nesta sexta-feira (23), manifestações estão previstas para ocorrer em Brasília, Rio, São Paulo, Salvador e Curitiba. No sábado (24), entre as capitais, há atos marcados em Manaus, Belém, Recife, Fortaleza, Porto Alegre, Goiânia, São Luís, Vitória, Campo Grande, Cuiabá, Palmas, Aracaju, Natal e Maceió.

Governo contra Macron

Enquanto manifestantes e o G7, grupo de países mais ricos do mundo, se organizam para chamar atenção para as políticas do governo relativas ao meio ambiente, com ênfase na Amazônia, o secretário de comunicação do presidente Jair Bolsonaro, Fábio Waingarten, também desenvolve seus planos. Ele afirmou em uma rede social que o governo irá promover campanha em inglês para rebater o presidente da França, Emmanuel Macron, responsável por pautar o G7 para avaliar a questão.

O francês usou uma foto (veja abaixo) antiga para criticar as queimadas na Amazônia. “Nossa casa está em chamas, a Floresta Amazônica, o pulmão que produz 20% do oxigênio do planeta está em chamas. Está é uma crise internacional. Membros do G7, vamos discutir essa emergência em dois dias”, escreveu Macron no Twitter.

Wajngarten, por sua vez, fez uma postagem chamando o episódio de “absurdo”. “Ou o presidente da França está agindo de má fé ou é um irresponsável”, escreveu. Um dos internautas sugeriu então que o governo lançasse uma campanha em inglês para responder ao que chamou de “ataque coordenado”. Wajngarten disse então que fará a campanha.

Antes mesmo deste episódio, o secretário avaliava o lançamento de uma campanha para melhorar a reputação do Brasil na Europa. A secretaria de Comunicação é responsável pela publicidade oficial.

Com informações de agências*