"SAPATINHO"

Quadrilha rouba banco em MG e é cercada em mata perto de Itumbiara

Alcançados quando tentavam entrar em Goiás, bandidos abandonaram veículo com mais de R$ 1 milhão em dinheiro, e dois revólveres


Aulus Rincon
Do Mais Goiás | Em: 11/08/2020 às 18:50:01

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Uma caçada a criminosos, que na manhã desta terça-feira (11) roubaram todo o dinheiro do cofre de uma agência bancária em Canápolis, Minas Gerais, movimentou policiais militares de dois Estados, perto do trevo de acesso à Itumbiara. Alcançados quando tentavam entrar em Goiás, pelo menos três criminosos abandonaram o veículo com mais de R$ 1 milhão em dinheiro e entraram em uma mata.

O delito praticado em Canápolis é conhecido no linguajar policial como “sapatinho”, modalidade criminosa em que o gerente de uma agência bancária e familiares são feitos reféns na noite anterior à entrada da quadrilha na agência. Nas primeiras horas da manhã seguinte à rendição do gerente, um ou dois criminosos seguem com ele ao banco e o obrigam a abrir o cofre, enquanto outros bandidos mantém os familiares reféns – ou dentro de um veículo, fora da cidade, ou em uma mata.

Após conseguirem roubar R$ 1.171.080,00 na manhã desta terça, os bandidos liberaram o gerente e seus familiares entre Centralina e Araporã, em Minas Gerais, e fugiram para Goiás. Perto do trevo de Itumbiara, porém, a quadrilha foi cercada por militares dos dois Estados, ocasião em que abandonaram o veículo Voyage em que estavam e entraram em uma mata. Dentro do carro, a PM recuperou todo o montante roubado da agência, além de dois revólveres calibre 38 que foram tomados dos vigilantes.

O cerco na mata conta com o apoio do helicóptero da PM de Minas Gerais e tropas especializadas de Goiás, como Companhia de Patrulhamento Tático (CPT), e do Batalhão de Choque, que está com cães farejadores pelo local. Até o início da noite, nenhum dos criminosos havia sido encontrado, mas os agentes de Minas e Goiás garantem que só vão deixar o local quando localizá-los.

Foto: Divulgação