Do Mais Goiás

Publicação de colégio particular nas redes sociais vira polêmica após alunos denunciarem machismo

Muitas alunas e ex-alunas afirmaram terem sido vítimas de machismo e terem ouvido comentários depreciativos na instituição

Uma postagem do Colégio WR, em Goiânia, sobre o Dia da Mulher gerou muita repercussão no Instagram. Após a publicação, uma série de alunas e ex-alunas se manifestaram denunciando casos de machismo dentro da instituição. Até o fechamento da matéria, a postagem contava com 692 curtidas e 1.776 comentários.

As manifestações das alunas descreviam uma série de condutas de professores e do diretor do colégio. Piadas e comentários, feitos tanto na sala de aula quanto de forma individual, foram relatadas. Algumas das frases que teriam sido ditas pelos profissionais foram citadas em vários comentários: “Você está rouca de tanto pagar b… no fim de semana”, “mulher passa creme para ficar macio quando apanhar”, “vira a cabeça senão pinga m…”, entre outras. Confira postagem abaixo:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

A todas as mulheres, em especial às nossas alunas, mães, filhas, esposas, professoras e colaboradoras, que fizeram e fazem parte dos nossos 25 anos de trajetória, desejamos um excelente dia. Vocês nos lembram a todo momento que lugar de mulher é construindo a história. Feliz dia das mulheres!

Uma publicação compartilhada por Colégio WR (@colegiowr) em

Uma ex-aluna afirmou em um comentário que, durante os anos que estudou na instituição, ela viu esse tipo de postura várias vezes. Ela afirmou que comentários com conotação sexual eram frequentes, além de frases que diminuíam as mulheres.

Nem todas as postagens foram de denúncias. Várias outras defendiam tanto a instituição quanto os professores e o diretor. Algumas afirmam que os comentários não passavam de brincadeiras. Outras ressaltaram a qualidade de ensino oferecida pelo colégio.

O Mais Goiás tentou contato com o colégio, mas as ligações não foram atendidas até o fechamento da matéria. A redação buscou informações na 4ª Delegacia de Polícia sobre possíveis denúncias, mas também não houve retorno.