Do Mais Goiás

PT alfineta pouca adesão a atos contra Bolsonaro do dia 12

Partido postou vídeo de Haddad em manifestação de esquerda com público mais numeroso

Uma manifestação em Goiânia pede o impeachment de Jair Bolsonaro. O ato, que aconteceu neste domingo (12), também é contra o PT e o Lula. (Foto: divulgação/MBL Goiás)
PT alfineta pouca adesão a atos contra Bolsonaro com vídeo de Haddad em manifestações petistas (Foto de atos do dia 12: divulgação/MBL Goiás)

Enquanto no sábado (11), o PT disse saudar “todas as manifestações Fora Bolsonaro”, após os atos de domingo (12) o partido divulgou um vídeo para alfinetar a pouca mobilização das manifestações convocadas pelo MBL. Na gravação, o ex-prefeito de São Paulo e ex-presidenciável Fernando Haddad (PT) aparece em diversas manifestações de esquerda, todas com maior número de pessoas.

Vale lembrar, a convocação dos protestos foi feita após os atos de 7 de setembro, quando o presidente a Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar e atacar os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). As manifestações pediam o impeachment dos juristas, além de pautas como o voto auditável impresso. Na quinta, o gestor federal recou e disse que nunca quis agredir qualquer Poder.

Presidente do PT, a deputada federal Gleisi Hoffman (PR) disse ao Poder360, ainda na última quarta, que o partido não estaria nas manifestações do dia 12. Segundo ela, a legenda não foi convidada para os atos.

A expectativa, em Goiânia, segundo Marco Berquó, um dos porta-vozes do MBL na capital, era cerca de 4 mil pessoas. Foram aproximadamente 800 manifestantes reivindicando a retirada do presidente e também se mobilizando contra o PT e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O protesto teve início por volta das 15h, em frente à sede da Polícia Federal em Goiânia, na Av. Edmundo P. Abreu. Os manifestantes andaram até a T-63 e retornaram à PF por meio da Rua S-1.

“Somos favoráveis a toda e qualquer operação que, desde que atue dentro da Lei, busque investigar e prender quem comete crimes. Logo, não enxergamos o ex-presidiário Lula como uma opção viável ao cenário eleitoral de 2022”, ressaltou Berquó, na data.