Manifestação

Protesto contra governo Dilma pede até intervenção militar

Convocada pela internet por movimentos como "Movimento Brasil Livre", "Vem Para a Rua" e "Movimento Brasileiro de Resistência" a divulgação da manifestação teve a participação de políticos de oposição





//

Após se concentrarem por cerca de uma hora no vão do Museu de Arte de São Paulo (Masp), centenas de pessoas iniciaram no fim da tarde deste sábado (6/12) uma marcha na Avenida Paulista em manifestação contra o atual governo da presidente Dilma Rousseff e o PT.

Divididos em três grupos distintos, cada um com seu carro de som, eles pedem, entre outras reivindicações, a derrubada do PL 36, que flexibiliza a meta fiscal do governo, o impeachment da presidente e até intervenção militar. 

Convocada pela internet por movimentos como “Movimento Brasil Livre”, “Vem Para a Rua” e “Movimento Brasileiro de Resistência” a divulgação da manifestação teve a participação de políticos de oposição, como os senadores tucanos Aécio Neves e José Serra, e o deputado José Aníbal (PSDB).

Aécio e Serra não compareceram. “Vim conferir”, disse Aníbal. Questionado sobre qual dos carros acompanharia, o deputado disse que ficaria com o “Fora Dilma”, mas descartou a possibilidade de intervenção. Segundo ele, o movimento de rua é o espelho da atuação da oposição no Congresso Nacional, principalmente nesta semana, quando obstruiu por 19 horas o projeto de alteração do superávit primário.

Acompanhando o cortejo do “Vem Para a Rua”, a deputada Mara Gabrilli (PSDB), uma das mais atuantes na sessão, disse que a oposição fez um belo trabalho na obstrução. Segundo ela, foi vitoriosa a negociação da votação do estatuto da pessoa com deficiência na próxima quarta-feira. “Foi importante encerrarmos com uma pauta positiva”, disse.