Meio Ambiente

Projeto quer substituição de sacolas plásticas por biodegradáveis em Goiânia

Proposta prevê 12 meses para o comércio se preparar. Vereador vê excesso de poluição e gasto público no uso do material

Cidades

Eduardo Pinheiro
Do Mais Goiás | Em: 12/02/2020 às 12:37:50

Projeto quer proibir uso de sacolas plásticas em Goiânia (Foto: Prefeitura/ Divulgação)
Projeto quer proibir uso de sacolas plásticas em Goiânia (Foto: Prefeitura/ Divulgação)

Projeto de lei em tramitação na Câmara Municipal quer proibir o uso de sacolas plásticas no comércio de Goiânia. De autoria do vereador Dr. Gian (PSB), a proposta quer substituir os atuais sacos plásticos por material biodegradável em prazo de 12 meses após sanção do prefeito.

O vereador se espelha em lei parecida que já é aplicada na cidade de São Paulo. De acordo com ele, há uma tendência mundial de retirar substâncias derivadas do petróleo de circulação, como é o caso das sacolas plásticas. O material, além de ser cancerígeno, demora de 200 a 300 anos para se decompor na natureza.

O projeto ainda está em estudo por parte da área técnica da Câmara Municipal e deve ainda passar por discussão junto a cooperativas, indústria de materiais biodegradáveis e audiências públicas. A ideia é que as atuais sacolas plásticas possam ser substituídas por sacolas feitas com produtos naturais como bagaço de cana. Os sacos seriam distribuídos, em um primeiro momento, e depois colocado à venda em supermercados.

“Vejo que o projeto tende a fazer bem à cidade e à população. Hoje grande parte do aterro sanitário do município é ocupado por sacolas plásticas. Isso além de poluir, entope os bueiros da cidade, o que traz muito ônus para o município”, aponta Dr. Gian.

Caso a lei seja aprovada, os estabelecimentos comerciais terão prazo máximo de 12 meses para se adequarem às novas regras.

Lixo

A Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Público (Seinfra) retira uma média de 300 toneladas de lixo todo mês dos bueiros. São embalagens plásticas, vidros, garrafas pet, entulho de construção e até eletrodomésticos. Os serviços preventivos são realizados de forma rotineira durante todo ano e intensificados antes e durante cada período chuvoso. Em 2019, foram feitas limpezas em 27.579 bocas de lobo, uma média de 2.298 por mês, com a retirada de cerca de 3 mil toneladas de lixo.