Do Mais Goiás

Professor do IF Goiano é único brasileiro entre 50 finalistas do ‘Nobel da Educação’

Greiton Toledo de Azevedo ministra aulas de matemática no Instituto Federal Goiano, em Ipameri, no sudeste de Goiás

Professor do IF Goiano é único brasileiro entre 50 finalistas do 'Nobel da Educação'
Professor do IF Goiano é único brasileiro entre 50 finalistas do 'Nobel da Educação' - (Foto: Reprodução - Arquivo pessoal)

O professor goiano Greiton Toledo de Azevedo, de 31 anos, é o único representante do Brasil no prêmio internacional de educação Global Teacher Prize de 2021. Ele ministra aulas no Instituto Federal Goiano (IF Goiano) em Ipameri, no sudeste de Goiás. Em suas aulas ensina matemática e estimula estudantes a pensar como cientistas e a criar jogos e atividades que ajudem no tratamento dos sintomas do Parkinson.

Cientista e doutorando Greiton Toledo está entre os 50 finalistas do prêmio entre mais de 8 mil profissionais de 121 países que se inscreveram e conta que é uma grande realização. “É uma satisfação fazer parte desse prêmio”.

O professor leciona há 11 anos, e por isso criou o Mattics, projeto em que os estudantes criam jogos e atividades, de maneira sustentável e que ajudam no tratamento de pessoas com Parkinson. “Conseguimos colocar em destaque a educação pública brasileira do interior de Goiás e a ciência, porque o trabalho alinha a ciência com ponto de pauta mundial”, afirma em entrevista ao Mais Goiás.

“Os alunos desenvolvem jogos robóticos dentro da sala de aula com materiais de baixo custo”

O meu trabalho busca devolver muito mais do que ensinar matemática. Ao invés de salas sombrias e conceitos os alunos são encorajados a se tornarem cientistas da área do conhecimento. Temos como ponto de pauta o ensino de matemática voltado para a sociedade usando e incorporando ideias da computação, engenharia e elementos da saúde, uma vez que os alunos desenvolvem jogos robóticos dentro da sala de aula com materiais de baixo custo”, reforçou.

Após o desenvolvimento dentro dos laboratórios, uma vez por mês os alunos vão até o hospital público, Dia do Idoso, que é referência no tratamento de idosos com a doença de Parkinson. A unidade de saúde fica em Anápolis.

Projeto teve início em escola pública de Goiás

Segundo o professor, o trabalho nasceu em uma escola municipal de Senador Canedo depois se expandiu. “Começamos em uma sala pequena de 2013 para 2014 e fomos ampliando e mobilizando toda uma comunidade e criamos o primeiro laboratório de linguagem criativa de Goiás. Não tínhamos internet, e hoje já temos mais dois laboratórios de aprendizagem criativa e criamos dispositivos robóticos”, conta.

“Em 2017 eu fui para o Instituto Federal Goiano e ampliei esse trabalho e a minha ideia é essa difundir para mais escolas públicas. Tenho orgulho de ser professor da educação básica, porque é nela que está 80% da futura geração que vai impactar em diferentes setores das nossas cidades, estados e país”, pontuou.

Segundo Greiton, ao longo desses anos já foram atendidos mais de 3 mil estudantes. Hoje são mais de 300 alunos com o projeto.

 Professor pretende ampliar projeto

De acordo com o professor, a ideia é que o trabalho que ganha nesse momento evidência seja ampliado futuramente. “Para que a gente possa pensar uma sala de aula que não obrigue os alunos a reproduzir coisas que não tem sentido, mas que tenha significado para a matemática”, disse.

Prêmio “Nobel da Educação”

O Global Teacher Prize está na sua oitava edição e é considerado o “Nobel da Educação” por ser o de maior reconhecimento na área. Ele premia o melhor professor entre os indicados avaliando qual deles teve uma atuação excepcional e que deixa uma contribuição única à profissão. O vencedor ganha, além do título, US$ 1 milhão.