Oscilação

Procon detecta variação de até 3.200% em preços de medicamentos vendidos em Goiânia

Em medicamentos de referência, diferença de um mesmo produto chegou a 128%. Órgão também verificou disparidades no percentual de reajuste, definido pelo Governo Federal, nos preços praticados pelos estabelecimentos


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 25/07/2019 às 15:14:47

O Procon orienta os consumidores a consultarem a lista de preço máximo dos medicamentos disponível no site da Anvisa (Foto: Procon Goiás)
O Procon orienta os consumidores a consultarem a lista de preço máximo dos medicamentos disponível no site da Anvisa (Foto: Procon Goiás)

Levantamento realizado pelo Procon Goiás detectou variações de até 3.200% no preço de medicamentos vendidos na capital. A maior diferença constatada, acima mencionada, se refere ao medicamento genérico Hidrocloritiazida (25mg, com 30 comprimidos), usado no controle da pressão arterial. O maior preço verificado foi de R$ 5,94 e o menor R$ 0,18. Ao todo, foram analisados 65 remédios: 33 de referência e 32 genéricos, em 12 drogarias de Goiânia.

Nos chamados medicamentos de referência, a oscilação de um mesmo produto chegou a 128%. Um dos produtos que sofreu aumento, o genérico Fernobarbital (100 mg, com 20 comprimidos), conhecido como Gardenal, tinha preço médio praticado em abril de 2018 de R$ 4,84. Atualmente custa, em média, R$ 5,63. Um aumento de 16,32%.

De acordo com o Procon, o consumidor pode ter tido a impressão de que o reajuste anual está acima do definido pelo Governo Federal, que é de 4,33%. No entanto, o percentual de reajuste autorizado pelo governo é aplicado sobre o Preço Máximo ao Consumidor (PMC) e não sobre o preço de venda praticado pelo estabelecimento. O Fernobabital, por exemplo, tem o PMC de R$ 6,07. O que coloca os valores praticados em Goiânia dentro da lei.

A pesquisa do Procon expõe preços e variações encontrados nos estabelecimentos e considerou os valores praticados para o cliente comum, independente da exigência de cadastro, seja pela rede de comércio ou por laboratórios. O órgão orienta os consumidores a consultar a lista de PMC dos medicamentos, disponível no site da Anvisa, para identificar possíveis irregularidades.

Segundo o órgão, é importante se atentar aos preços divergentes praticados nas drogarias da mesma rede. Uma vez que não há, necessariamente, uma política de preços única. Dessa forma, variações de preço de um mesmo medicamento podem acontecer em pontos de venda distintos de uma mesma rede de drogaria.