Presos três suspeitos de participação em chacina que deixou quatro mortos em Goiânia

Crime ocorrido em abril passado no Setor Três Marias teria sido motivado por disputa entre grupos ligados ao tráfico de drogas. Adolescente também foi apreendido


Hugo Oliveira
Do Mais Goiás | Em: 12/06/2019 às 12:58:19

(Foto: divulgação/PC)
(Foto: divulgação/PC)

Um adolescente de 16 anos foi apreendido e três homens estão presos suspeitos de serem os autores de uma chacina que deixou quatro mortos na noite do último dia 4/4 , em uma residência no Setor Três Marias, em Goiânia. Segundo a polícia, o alvo dos atiradores seria apenas um dos homens que estava na casa.

Gustavo Henrique Vascurado Mesquita de Carvalho, de 24 anos, Jean Carlos Ribeiro Braga, de 26 anos, Wanderson Inácio Araújo da Silva, de 30 anos, e Antônio Carlos de Jesus Silva, de 33 anos, foram surpreendidos por três homens que entraram armados com pistolas e revólver na casa onde eles faziam uma festa junto com algumas mulheres pouco antes das  23h do mencionado dia.

Após gritos de “perdeu”, os atiradores separaram homens de mulheres e executaram Wanderson, Gustavo, e Jean.  Antônio Carlos tentou fugir correndo a pé pela rua, mas foi perseguido e alcançado por dois dos atiradores que, junto com os outros dois comparsas, ainda passaram o carro em que fugiram, de forma proposital, por cima do corpo dele.

Esta última execução e o atropelamento foram registrados por câmeras de segurança de residências próximas. Um quinto homem que estava na casa também foi baleado, mas conseguiu fugir pulando o muro dos fundos. Ele sobreviveu.

Identificados e localizados após um trabalho conjunto entre militares do 42º BPM, do Grupo de Radiopatrulha Aérea (Graer), e da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH), Gustavo Luiz Chimango Dias, de 20 anos, o “Tiruleibe”, e um adolescente de 16 anos confessaram participação na chacina. Ambos delataram dois comparsas, que já estavam recolhidos na Casa de Prisão Provisória (CPP), por terem sido presos por outros crimes, dias após os quatro assassinatos.

Ouvidos na DIH, Anderson Reis dos Santos, o “Neguinho”, e Willian de Oliveira, o “Macaco”, também confessaram participação na chacina. “Ali o que aconteceu foi uma guerra entre facções, o Wanderson, que era o único alvo dos atiradores, havia saído recentemente da cadeia e estava tentando dominar o tráfico na Região Oeste. Isso fez com que seus rivais, que já controlavam a venda de drogas por ali, encomendassem a sua execução. A decisão de matar os outros quatro aconteceu na hora do crime, para que não houvesse testemunhas”, revelou o delegado Ernane Cazer, adjunto da DIH, e responsável pelas investigações.

O delegado disse ainda que as mulheres que estavam na casa foram poupadas porque líderes de facções não permitem a execução de testemunhas do sexo feminino.

Tópicos