Corrupção

Presos servidores suspeitos de receber propina por vistoria no Detran

Dois policiais militares e um funcionário de carreira cobravam para liberar vistorias





//

A Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DERFRVA) realizou, na manhã desta terça-feira (15/12), a Operação Intraneus, que resultou na prisão de três servidores do Detran-GO, entre eles dois policiais militares. Também foi efetuada a condução coercitiva de dois despachantes e o cumprimento de seis mandados de busca e apreensão nesta capital.

Segundo o delegado Fábio Meireles, que coordenou a operação, a investigação durou cerca de cinco meses e contou com total apoio da Gerência de Fiscalização do Detran. O foco do trabalho foi desarticular uma associação criminosa, composta por servidores do órgão, que praticavam crimes de corrupção passiva e violação de sigilo funcional. A Polícia Civil descobriu que eles cobravam valores entre R$ 150 e R$ 3 mil para aprovar vistorias de veículos de auto escolas do interior de Goiás.

De acordo com o Tenente  Coronel Márcio Vicente, Chefe de Fiscalização do Detran, os três servidores aprovavam a vistoria para veículos que muitas vezes nem passavam pelo Detran. “São coisas de praxe, como a verificação da existência de faixas laterais refletivas e dos itens básicos de segurança obrigatórios como o cinto de segurança por exemplo, mas para não precisar vir do interior para cá eles acabavam sendo corrompidos”, declarou.

A Delegacia Estadual de Repressão aos Furtos e Roubos de Veículos Automotores (Derfrva) ficou com as investigações porque suspeitava se que veículos roubados estavam sendo liberados pela vistoria. “Esse crime não se caracterizou, mas conseguimos provar que donos de auto escolas e despachantes estavam pagando para os três indiciados a fim de conseguirem vantagens na vistoria”, declarou o Delegado Fábio Meireles, adjunto da Derfrva.

Alem da Prisão Temporária dos dois militares e do servidor do Detran, a polícia também cumpriu seis mandados de busca e apreensão e dois de condução coercitiva contra dois despachantes. Os presos responderão por corrupção passiva, associação criminosa e violação de sigilo funcional. O Tenente Coronel Wolmey Bastos da Corregedoria da PM acompanhou as investigações e disse que se for comprovada a participação, os dois militares podem ser expulsos da corporação.

Por meio de nota, a assessoria do Detran informou que a operação foi desencadeada a partir de denúncia apresentada pela Gerência de Fiscalização e Segurança do próprio órgão. Segundo o texto, o grupo desmantelado estava vendendo laudos de fiscalização de despachantes e Centros de Formação de Condutores sem respeitar os critérios estabelecidos pela legislação.

Confira a nota na íntegra:

“A Operação Intraneus desencadeada hoje pela Delegacia Estadual de Furtos e Roubos de Veículos Automotores surgiu a partir de denúncia apresentada pela Gerência de Fiscalização e Segurança do Detran-GO que, após indícios de irregularidades no setor responsável pela fiscalização dos permissionários credenciados na autarquia, encaminhou o caso para as Polícias Civil e Militar. O caso foi apurado por meio de escutas telefônicas e resultaram em dois mandados de condução coercitiva de despachantes e três de prisão temporária, entre eles a de um funcionário do Detran-GO.

Segundo a apuração, o grupo estava vendendo laudos de fiscalização de despachantes e Centros de Formação de Condutores sem respeitar os critérios estabelecidos pela legislação. Diante dos fatos, a diretoria do Detran-GO vai recomendar a exoneração do servidor, a suspensão cautelar e abertura de processo administrativo contra os permissionários envolvidos.”

Tópicos