Meio ambiente

Presos falsos policiais ambientais

Até agora, nove vítimas já foram ouvidas pela polícia.





//

Membros de uma Organização Não Governamental registrada há mais de 13 anos, Regisnaldo Correa Dantas, 40, e Eusvaldo Alves de Sousa, 50, foram presos acusados de estarem extorquindo donos de propriedades rurais no interior do Estado. Até agora, nove vítimas já foram ouvidas pela polícia.

Usando fardas camufladas, algemas, coletes e até mesmo armas de fogo, Regisnaldo e Eusvaldo, segundo a polícia, chegavam em propriedades rurais e após se apresentarem ora como policiais ambientais, outras como fiscais do Ibama, diziam ter ido ao local para fazer uma vistoria.

Em seguida, informavam ao proprietário ter encontrado alguma irregularidade, e para que não aplicassem multas cobravam de R$ 3 a R$ 5 mil. O dinheiro, segundo a dupla, seria usado em anúncios em uma revista da Reama – Rede Agrária e Meio Ambiente.

Em fevereiro do ano passado o Delegado Alexandre Otaviano Nogueira, adjunto da Delegacia Estadual do Meio Ambiente (DEMMA) foi procurado por fiscais da Agrodefesa que contaram estarem dois homens se passando por servidores de lá para extorquir donos de propriedades rurais. Há duas semanas, o delegado identificou a dupla, que teve a Prisão Preventiva solicitada e decretada no final de semana.

Ao ser preso na manhã desta segunda-feira em Aparecida de Goiânia, Regisnaldo foi autuado também por porte ilegal de armas, uma vez que tinha em casa um revólver calibre 38, um carregador rápido e várias munições. Eusvaldo foi localizado em Goiânia, e com ele os agentes da DEMMA encontraram coletes e várias roupas camufladas.

Os dois responderão por extorsão e falsidade ideológica. Um cabo da Polícia Militar que já fez parte da ONG também está sendo investigado, mas até agora a DEMMA ainda não conseguiu provas que mostrem estar ele envolvido nos casos de extorsão.