Latrocínio

Presos dois suspeitos de matar dono de lanchonete em Goiânia

Comerciante de 43 foi morto em junho após reagir a um assalto. Terceiro participante está foragido




Após quatro meses de investigações, agentes do Grupo de Repressão a Roubos (GARRA) da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) prenderam dois suspeitos de participação no roubo a um pit dog que terminou com a morte do dono do estabelecimento, Evandro Carlos de Oliveira, de 43 anos. Matheus Athila Brandão de Oliveira, de 30 anos, e Jhonathan Sousa Oliveira, de 32 anos, foram presos no Parque Atheneu. Um terceiro suspeito, Henrique Eugênio Barros, de 27 anos, conseguiu fugir e está sendo procurado.

O assalto a lanchonete, que fica na Avenida Berlim no Parque Industrial João Braz, aconteceu pouco antes das 21 horas do dia 30 de maio. Ao ver que seus clientes estavam sendo rendidos por dois bandidos armados, Evandro pegou um revólver calibre 38 que guardava em seu estabelecimento e efetuou alguns disparos contra os assaltantes, que revidaram.

O comerciante foi atingido por dois tiros e chegou a ser socorrido, mas morreu antes mesmo de ser atendido no Cais do Bairro Goiá. Os assaltantes fugiram levando dinheiro e pertences dos clientes em um veículo Gol, onde eram aguardados por um comparsa.

Ao identificar os três assaltantes a polícia pediu e a Justiça decretou a Prisão Preventiva deles. Segundo o delegado Francisco Lipari, chefe do GARRA da Deic, o trio já responde por tráfico de drogas e porte ilegal de arma.

Na ocasião do assalto, suspeitava-se que um dos assaltantes havia sido baleado pelo comerciante. “No decorrer das investigações descobrimos que nenhum deles foi atingido e, pelo que apuramos aqui, quem atirou no Evandro foi o Matheus, que era quem estava armado com um revólver calibre 38. Mas é importante deixar claro que os três estão envolvidos diretamente no crime, e por isso responderão pelo mesmo delito”, destacou Francisco Lipari.

Os dois presos e o suspeito que está foragido foram indiciados por latrocínio, crime que tem pena prevista de 20 a 30 anos de reclusão.