NA CADEIA

Preso suspeito de praticar oito assassinatos com o irmão em Goiânia

Entre os vários crimes, Leandro Lima Silva é apontado como autor de um duplo homicídio onde uma mulher e a filha dela de apenas quatro anos foram mortas com tiros na cabeça


Aulus Rincon
Do Mais Goiás | Em: 03/06/2020 às 14:34:11

Leandro Lima Silva, que, segundo a polícia, matou pelo menos oito pessoas em Goiânia com a ajuda do seu irmão (Foto: Polícia Civil)
Leandro Lima Silva, que, segundo a polícia, matou pelo menos oito pessoas em Goiânia com a ajuda do seu irmão (Foto: Polícia Civil)

Foragido da justiça há dois anos, Leandro Lima Silva, de 29 anos, foi localizado e preso esta semana em Goiânia por agentes da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH). Segundo investigações, Leandro e seu irmão Reginaldo Lima Silva, que morreu em novembro passado durante confronto com a polícia, teriam matado, entre 2015, e 2019, pelo menos oito pessoas na Capital.

Os crimes atribuídos aos dois irmãos, segundo a delegada Marcela Orçai, adjunta da DIH, estariam relacionados à disputa entre facções criminosas rivais. Em um dos casos, ocorrido em 11 de junho de 2015, Leandro teria executado, a mando do irmão – que naquela ocasião cumpria pena no Complexo Prisional em Aparecida de Goiânia – Larissa Menezes de Paiva, de 19 anos, e a filha dela Jhordana Menezes dos Santos, de apenas quatro anos.

“Ao mesmo tempo em que ele nega este crime ele fez questão de reiterar, várias vezes durante o depoimento, que o disparo que matou a pequena Jhordana foi acidental”, relatou Marcela Orçai. Mãe e filha foram mortas, segundo as investigações, porque Reginaldo se irritou quando descobriu que Larissa convidava frequentemente sua esposa para ir com ela em festas e eventos.

O último assassinato praticado pelos irmãos, conforme investigações da DIH, aconteceu em 18 de agosto do ano passado, em uma distribuidora de bebidas, no Setor Cândida de Morais, e vitimou Kaique Silva de Sousa, que pertencia a uma facção criminosa rival à deles. Quando localizado esta semana, Leandro se apresentou aos policiais com o nome do irmão, já que, segundo a delegada, sabia estar sendo procurado pelas equipes da DIH.